PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Mercosul fecha acordo comercial com bloco de Islândia e Noruega

23/08/2019 20h18

Buenos Aires, 23 Ago 2019 (AFP) - O Mercosul alcançou nesta sexta-feira em Buenos Aires um acordo comercial com a Associação Europeia de Livre-Comércio (EFTA, sigla em inglês), anunciaram Argentina e Brasil.

"Concluímos hoje as negociações do Acordo de Livre-Comércio entre o Mercosul e a EFTA", disse em sua conta do Twitter o presidente Jair Bolsonaro após as negociações serem fechadas em Buenos Aires.

O EFTA é composto por Islândia e Noruega, além da união aduaneira da Suíça e de Liechtenstein. É um mercado de cerca de 14 milhões de habitantes que não pertence à UE.

"É uma grande vitória de nossa diplomacia de abertura comercial", acrescentou Bolsonaro, cujo governo exerce a presidência semestral do Mercosul.

O secretário argentino de Relações Econômicas, Horacio Reyser, disse que o acordo com o bloco EFTA "é uma nova etapa no processo de integração internacional da Argentina que aprofunda e hierarquiza nosso vínculo histórico com o continente europeu".

"Embora não tenha a magnitude de um grande acordo, ele tem o fato de ter sido fechado em 23 de agosto em meio a tantas críticas da Europa", disse uma fonte do Mercosul em Montevidéu à AFP, onde o bloco tem seu sede.

Nesta sexta-feira, países como França e Irlanda alertaram que podem não ratificar o acordo entre a UE e o Mercosul alcançado em junho devido às políticas ambientalistas de Bolsonaro, às quais atribuem os incêndios que estão arrasando a floresta amazônica.

A Finlândia, que atualmente ocupa a presidência rotativa da UE, disse que vai propor a seus pares europeus a proibição de importações de carne bovina brasileira para protestar contra a gestão dos incêndios na Amazônia.

A Noruega, um importante membro da EFTA, mantém sérias diferenças com Bolsonaro em questões ambientais. Principal doadora do Fundo Amazônia, Oslo acusou o Brasil de "não querer parar o desmatamento" e de "unilateralmente" quebrar o acordo alcançado com os doadores do Fundo, ao qual doou cerca de 900 milhões de dólares desde a sua criação, em 2008.

dm/gm/ll/db