PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Morre Sidney Rittenberg, americano que foi conselheiro de líder chinês Mao

26/08/2019 15h00

Washington, 26 Ago 2019 (AFP) - Sidney Rittenberg, um americano que viveu 35 anos na China após a Segunda Guerra Mundial e foi conselheiro do líder chinês Mao Zedong, morreu no sábado (24) no Arizona, aos 98 anos - informou o jornal "The New York Times".

A vida de Rittenberg foi marcada por viradas radicais. Filho rebelde de uma família abastada da Carolina do Sul, abraçou em sua juventude os ideais marxista-leninistas para, anos depois, tornar-se consultor de capitalistas como os magnatas da informática Bill Gates e Michael Dell.

Ele chegou à China como soldado do Exército americano sobre o final da guerra e, em 1946, filiou-se ao Partido Comunista Chinês. Por seu domínio do mandarim, tornou-se intérprete e viajou com Mao e com o Exército Vermelho. Na China, era conhecido pelo nome Li Dunbai.

Rittenberg foi testemunha direta da guerra civil que levou em 1949 à fundação da República Popular da China e teve acesso ao círculo íntimo de Mao, onde também cultivou uma relação com Chou Enlai.

Sua fidelidade foi recompensada com responsabilidades no governo chinês, onde era praticamente o único estrangeiro conhecido.

Esse estreito vínculo com a cúpula governante não o salvou de ser preso durante dois períodos, acusado de espionagem.

Na primeira ocasião, passou seis anos na prisão. Quando foi solto, recuperou seus privilégios dentro do partido, em 1955, e seu apoio à causa comunista se manteve intacto.

Ficou encarregado da propaganda em língua inglesa do regime, o que incluiu o período conhecido como o "Grande salto para frente" (1958-1961), campanha de coletivização forçada que gerou fome e deixou pelo menos 20 milhões de mortos.

Ele manteve seu apoio durante a Revolução Cultural (1966-1976), outro período obscuro em que Mao intensificou culto à sua pessoa e eliminou brutalmente seus opositores.

Em 1968, a esposa de Mao ordenou sua prisão, e o americano passou dez anos atrás das grades. Wang Yulin, mulher de Rittenberg, foi enviada para um campo de trabalho. Libertado em 1977, voltou para os Estados Unidos em 1979 com sua família.

Rittenberg se tornou intermediário procurado por grandes companhias americanas que buscavam fazer negócios na China. Continuou viajando com regularidade para Pequim e era consultado com frequência como assessor.

seb/AB/piz/rsr/cc/tt

THE NEW YORK TIMES COMPANY