PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Bolsa e moeda caem na Argentina após visita do FMI

27/08/2019 18h29

Buenos Aires, 27 Ago 2019 (AFP) - A moeda argentina desvalorizou-se 2,47% nesta terça-feira, fechando com câmbio a 58,66 pesos por dólar, e a Bolsa de Buenos Aires recuou 4,74% em uma sessão volátil.

A depreciação da moeda ocorreu paralelamente a um dia de pregão agitado, com quedas de até 11,95% para a Transportadora de Gás do Norte, o pior desempenho no painel das principais ações, em que nenhuma ação registrou alta.

As quedas acontecem no dia seguinte ao candidato peronista de centro-esquerda Alberto Fernández, favorito das eleições presidenciais de 27 de outubro, criticar duramente o Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Estamos em uma situação tão volátil que uma declaração causa essas mudanças abruptas", disse à AFP Martín Vauthier, da empresa Ecogo.

Fernández e seus conselheiros econômicos se reuniram na segunda-feira em Buenos Aires com uma missão do FMI, que em 2018 concedeu um empréstimo de 56 bilhões à Argentina em troca de um severo programa de ajuste fiscal.

"O empréstimo recebido pelo país e o conjunto de condicionalidades associadas a ele não geraram nenhum dos resultados esperados", disse a coalizão de Fernández em um comunicado após a reunião.

A missão do FMI chegou à Argentina no sábado para contatos exploratórios antes de enviar a revisão técnica para autorizar a próxima parcela planejada de 5,4 bilhões de dólares em 15 de setembro.

Nesta terça-feira, 1,251 bilhão de pesos (cerca de 21 milhões de dólares) foram negociados na Bolsa de Valores de Buenos Aires.

O nível de risco país medido pelo JP Morgan, ultrapassou 1.900 pontos.

"O que podemos projetar é bastante negativo. A economia é muito frágil e se tornou muito mais frágil depois das primárias", em que Fernández obteve 47% dos votos, disse à AFP Matías Rajnerman, da Ecolatina.

nn/dm/gm/ll/cc