PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

IBGE: Brasil escapa da recessão com crescimento de 0,4% no 2o. trimestre

29/08/2019 17h00

Rio de Janeiro, 29 Ago 2019 (AFP) - A economia brasileira cresceu 0,4% no segundo trimestre em relação ao primeiro trimestre, evitando assim a recessão após ter contraído 0,2% no período de janeiro a março, informou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A expansão é superior à estimativa média de 0,2% estabelecida por 31 analistas consultados pelo jornal Valor.

"É uma surpresa extremamente positiva e nos forçará a rever nossas projeções", disse o economista André Perfeito, em nota da Necton.

Comparado com o segundo trimestre de 2018, o crescimento foi de 1%.

A expansão do segundo trimestre em relação ao primeiro foi assegurada pela indústria (+0,7) e serviços (+0,3%), que compensaram uma contração da agricultura (-0,4%).

Do lado da oferta, destacaram-se os investimentos (formação bruta de capital fixo), que cresceram 3,2% (+5,2% em 12 meses), após dois trimestres de retração.

O PIB brasileiro cresceu "o dobro do previsto pelos jornais/especialistas e o melhor resultado em 6 anos para o período. Aos poucos o Brasil vai saindo do buraco que o PT o colocou e retomando o crescimento", afirmou o presidente Jair Bolsonaro pelo Twitter.

A maior economia da América Latina até hoje não se recuperou plenamente, após dois anos de severa recessão (2015-2016) e outros dois com crescimento fraco (+1,1% em 2017 e 2018).

Neste ano, segundo previsões do governo e do mercado, a expansão será de apenas 0,8%. O valor é bem inferior às projeções do começo do ano, quando Bolsonaro chegou ao poder, de um crescimento de 2,5%.

O resultado do trimestre "surpreendeu, não só pelo número, mas pela composição", disse à AFP Mauro Rochlin, da Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio de Janeiro.

Os motores foram "serviços e indústrias, e as indústrias de transformação e da construção civil tiveram um bom desempenho", com forte necessidade de mão de obra, em um país que tem 12 milhões de desempregados, acrescentou.

js/rsr/cn/ll/db