PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

CEO do Credit Suisse pede demissão por escândalo de espionagem

Tidjane Thiam deixará Credit Suisse - Fabrice Coffrini/AFP
Tidjane Thiam deixará Credit Suisse Imagem: Fabrice Coffrini/AFP

07/02/2020 06h32

O banco Credit Suisse anunciou hoje a saída do CEO Tidjane Thiam, afetado por um escândalo de espionagem contra ex-executivos do banco e membros da organização Greenpeace.

Tidjane Thiam, 57 anos, deixará o cargo em 14 de fevereiro, após a divulgação dos resultados anuais do banco, anunciou a empresa em um comunicado.

O Credit Suisse foi abalado após a revelação de que Iqbal Khan, ex-diretor de Gestão Internacional de Fortunas do banco, havia sido vigiado depois de sua saída inesperada do grupo para trabalhar no concorrente UBS.

O caso ressurgiu em dezembro, quando o banco admitiu um segundo caso de espionagem, que teve como alvo o ex-diretor de Recursos Humanos. No fim de semana passado, o jornal SonntagsZeitungg informou que a organização ecologista Greenpeace também foi espionada.

Thiam, franco-marfinense, assumiu o comando do banco em 2015, depois de trabalhar na seguradora britânica Prudential.

Ao assumir o cargo, Thiam passou a aplicar um vasto plano para reforçar a gestão de fortunas e reajustar o banco de investimentos.

Thiam será substituído por Thomas Gottstein, que comanda atualmente as atividades do banco no mercado suíço e é funcionário do grupo desde 1999.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas