PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Venezuela nomeia ministro de Petróleo funcionário sancionado pelos EUA

27/04/2020 18h49

Caracas, 27 Abr 2020 (AFP) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, nomeou como ministro do Petróleo Tareck El Aissami, funcionário sancionado pelos Estados Unidos, e como presidente da PDVSA Asdrúbal Chávez, parente do ex-presidente Hugo Chávez, de acordo com decretos publicados nesta segunda-feira (27) no Diário Oficial da República.

O vice-presidente da área econômica El Aissami "está habilitado" para a "reestruturação e reorganização" do ministério, indica o documento, no momento em que os preços do petróleo caem devido à queda na demanda em meio à pandemia de coronavírus e a produção venezuelana continua em declínio.

O novo ministro do petróleo está entre dezenas de colaboradores de Maduro que foram sancionados pela Casa Branca, que pressiona para tentar retirar o governante do poder.

El Aissami está entre os funcionários que foram formalmente acusados de "narcoterrorismo" pela Justiça americana em 26 de março, incluindo Maduro, com recompensas milionárias oferecidas por informações que levem à sua captura.

Os Estados Unidos ofereceram 15 milhões para Maduro e 10 para El Aissami.

Por sua parte, Asdrúbal Chávez foi nomeado presidente da estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA). O novo chefe da empresa - primo do ex-presidente Chávez (1999-2013) - liderou o Citgo, subsidiária da empresa nos Estados Unidos, cargo que ocupou de 2017 até Washington revogou seu visto em 2018.

Até agora, o general Manuel Quevedo compartilhava as posições de ministro do petróleo e presidente da empresa estatal venezuelana. Foi nomeado em novembro de 2017 por Maduro.

Na sexta-feira passada, o preço do barril de petróleo venezuelano caiu de 10 dólares, para 9,9 dólares uma queda para o menor nível em duas décadas, para os níveis de 1998, quando a média foi de 9,38 dólares.

Essa queda ocorre no momento em que a produção da PDVSA chega a pouco mais de 700.000 barris por dia, de acordo com o relatório do governo de Maduro à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Estava acima de três milhões de barris por dia em 2008.

erc/mr/lca/jc