PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Fernández confirma que pedirá ao Congresso expropriação de agroexportadora

12/06/2020 14h58

Buenos Aires, 12 Jun 2020 (AFP) - O presidente argentino, Alberto Fernández, confirmou nesta sexta-feira sua intenção de expropriar a agroexportadora Vicentín, a quarta maior do país, como a única "ferramenta" para resgatar a empresa que está à beira da falência.

"A desapropriação é a ferramenta para resgatar a empresa, não há outra maneira", declarou o presidente ao portal de notícias La García, um dia depois de receber o presidente da Vicentín.

A exportadora de petróleo e grãos declarou falência e convocou credores em dezembro.

O governo lançou na quarta-feira a intervenção administrativa da empresa considerada estratégica, argumentando que busca evitar uma falência que possa arrastar centenas de produtores.

Enquanto isso, prepara um projeto de desapropriação, medida que deve ser aprovado pelo Congresso para ser executado.

"Pedi a eles (aos executivos de Vicentín) uma alternativa. O que eles propõem é que o Estado entre na empresa sem desapropriação. O que acontece é que isso envolve um acordo com empresários muito dispersos. E isso é muito pouco transparente", explicou o presidente.

Segundo Fernández, "eles sabem que somente o Estado pode ajudá-los".

A Vicentín acumula uma dívida de 1,3 bilhões de dólares com 2.638 credores, muitos deles cooperativas de produtores agrícolas. Também deve cerca de US$ 255 milhões ao Banco Nación, de propriedade do Estado, entre outras dívidas com entidades públicas e privadas.

Os empréstimos concedidos a Vicentín pelo Banco Nación estão sob investigação judicial, no qual foram acusados Sergio Nardelli, diretor da empresa, e Javier González Fraga, chefe da entidade bancária durante o governo anterior de Mauricio Macri ( 2015-2019).

O ministro da Agricultura e Pescas, Luis Basterra, também disse que "não há outra alternativa além da expropriação", mas acrescentou que "se outro instrumento for encontrado, de melhor aplicação e com menor custo, seja bem-vindo".

ls/nn/mr/cc

Economia