PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Produção de petróleo da Venezuela retrocede a níveis de 1943

17/06/2020 14h39

Caracas, 17 Jun 2020 (AFP) - A produção de petróleo da Venezuela caiu para 570.000 barris por dia em maio, segundo a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), um declínio que a coloca em níveis de mais de sete décadas atrás e torna ainda mais sombria a perspectiva de uma economia devastada.

Com um pico de produção de 3,7 milhões de barris diários em 1970, a indústria petrolífera venezuelana alcançou os níveis mais baixos desde 1943, quando sua oferta era em média de 491.463 barris diários, segundo dados oficiais.

O país, que tem o petróleo como principal produto de exportação e fonte de divisas, tinha 4 milhões de habitantes na época, contra 30 milhões atual. O relatório mensal da Opep reflete um saldo de 54.000 barris por dia (bd) a menos que em abril, segundo fontes do cartel, e 162.000 bd a menos de acordo com relatórios do governo venezuelano à organização energética.

A PDVSA, estatal, que estava entre as cinco principais empresas de petróleo do mundo e que produzia 3,2 milhões de barris por dia há 12 anos, definha.

Somente durante uma greve de petróleo entre dezembro de 2002 e março de 2003, foram observados números inferiores a 25.000 bd.

- Cair sem freio -Abaixo de 600.000 bd, a oferta do país caribenho marca novos patamares em um declínio irrestrito na última década, que os especialistas atribuem a decisões erráticas, desinvestimento e corrupção.

Adicionado ao coquetel foram as sanções dos EUA que buscam deslocar o presidente socialista Nicolás Maduro do poder, incluindo a proibição de negociar petróleo venezuelano, em vigor desde abril de 2019.

De acordo com a S&P Global Platts, a Venezuela teve que reduzir ainda mais sua produção erodida nas últimas semanas devido a "limitações de armazenamento" e "falta de óleo leve" para processar seu petróleo extra pesado e, assim, tornar a mistura comercializável.

Até 2018, a Venezuela enviava 500.000 bd de petróleo bruto para os Estados Unidos e recebia 120.000 bd de petróleo leve e diluentes desse país, além de suprimentos para produção de combustível. A potência refinadora daquele tempo acabou se voltando para aliados como o Irã, o inimigo mais forte de Washington, para aliviar uma grave escassez de gasolina.

Tudo isso "aprofunda o ciclo recessivo na Venezuela", observa o economista José Manuel Puente, do Centro de Políticas Públicas do Instituto de Estudos de Administração Superior (IESA).

O país caminha pelo sétimo ano consecutivo de recessão e sua economia perdeu mais da metade de seu tamanho naquele período.

Os preços, apesar de uma leve recuperação nas últimas semanas, são baixos devido à contração da demanda após a pandemia do COVID-19.

Em 24 de abril, o petróleo venezuelano caiu para US$ 9,9 por barril, seu pior preço em duas décadas, e recuperou para US$ 13,45 em 1º de maio. Desde então, o Ministério do Petróleo da Venezuela não divulgou novos dados.

A nova queda na produção coincide com o surgimento de tensões entre Maduro e o chefe do parlamento Juan Guaidó - reconhecido como presidente interino da Venezuela para cinquenta países -, antes das eleições legislativas deste ano que, sem data definida, serão boicotadas pelos principais partidos da oposição.

mbj/erc/mr/cc