PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Londres abrirá mão da Huawei para seu 5G, diz Financial Times

06/07/2020 13h00

Londres, 6 Jul 2020 (AFP) - O primeiro-ministro Boris Johnson deve anunciar este mês sua decisão de retirar progressivamente os equipamentos do fabricante chinês Huawei da rede 5G britânica - informa o jornal "Financial Times" nesta segunda-feira (6), citando fontes do governo.

"Estou decidido fazer com que o Reino Unido não seja, de forma alguma, vulnerável a provedores estatais de alto risco. Desta forma, teremos que pensar cuidadosamente como administrar isso, teremos que encontrar as soluções tecnológicas adequadas", limitou-se a dizer Johnson em um vídeo divulgado nesta segunda-feira por vários veículos britânicos.

Já o ministro Oliver Dowden, responsável pelo setor Digital, Cultura, Mídia e Esportes, reafirmou hoje, em entrevista à Sky News, que o Executivo busca "diversificar seus equipamentos para reduzir a participação de fornecedores de alto risco, dos quais a Huawei é o principal".

Segundo o FT, Johnson tem a intenção de excluir a Huawei, principalmente, porque as sanções americanas anunciadas em maio colocariam - conforme um relatório britânico de Segurança Nacional - dúvidas "muito, muito graves" sobre a capacidade de a Huawei continuar fornecendo material para a rede britânica 5G.

Dowden confirmou ter recebido um informe do Centro Nacional de Cibersegurança sobre o impacto das sanções dos Estados Unidos na Huawei e afirmou que podem impor "obstáculos".

Estas sanções estão desenhadas, entre outros pontos, para impedir o acesso da Huawei aos semicondutores feitos com componentes americanos.

Nesse contexto, o governo britânico se preocupa com que os chineses recorram a equipamentos de substituição que possam oferecer novos riscos de segurança, completa o jornal.

Mas o embaixador da China em Londres, Liu Xiaoming, alertou nesta segunda que excluir a Huawei pode prejudicar a reputação internacional do Reino Unido e abalar a confiança de outros investidores estrangeiros.

E sugeriu em coletiva de imprensa na capital britânica que isso mostraria que o país se dobra sob "pressão estrangeira", em uma clara referência à posição de Washington sobre a Huawei.

O governo de Donald Trump acusa a Huawei de espionar para Pequim e está pressionando, no mundo todo, para que seja excluído das redes de Internet móvel de última geração.

A Huawei sempre negou as acusações de espionagem e diz que se trata, na verdade, de uma guerra comercial.

Em janeiro passado, Londres havia dado sinal verde para a participação da Huawei em infraestruturas não estratégicas de sua rede 5G, limitando sua participação a 35%.

Em maio, porém, a imprensa britânica informou que Johnson estava reexaminando os vínculos do governo chinês com a Huawei e considerava a possibilidade de excluir o grupo de seu 5G até 2023.