PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Foto de rainha Máxima e filha em revista causa repúdio na Argentina

22/07/2020 22h03

Buenos Aires, 23 Jul 2020 (AFP) - A capa de uma revista de variedades que retratou a rainha Máxima da Holanda e sua filha com um título fazendo alusão à forma física da adolescente provocou forte repúdio nesta quarta-feira (22) na Argentina.

"A filha mais velha de Máxima exibe com orgulho seu look 'plus size'", foi o título da revista Caras, que gerou repúdio nas redes sociais, sendo associado a palavras como "violência" e "vergonha".

Na foto vê-se a rainha Máxima, nascida na Argentina, vestindo calça e blazer brancos, caminhando de mãos dadas com sua primogênita, Amalia, que usa um vestido azul.

"Amalia (16), herdeira do trono da Holanda, vítima de bullying, enfrenta as críticas com fortaleza e o apoio incondicional de seus pais. Uma princesa que vive sua adolescência sem tabus e defende sua silhueta de 'mulher real'", diz a legenda da foto.

A imagem foi editada de uma seção oficial de fotos de família.

"Que baixaria esta capa de @caras, escrutando o corpo de uma adolescente e pondo o foco em que é 'plus size'. Parem de encher com essa lupa sobre os corpos femininos e marcando parâmetros de suposta 'normalidade' ou beleza. Poderão aprender a nos respeitar? #Fartas", tuitou Mariana Carbajal, jornalista e autora do livro "Yo te creo hermana" (sem título em português).

"REPÚDIO TOTAL! Quando uma revista crê que pondo 'Plus Size' Orgulho na mesma frase e não 'Gordinha', 'Cheinha', etc, são inclusivos... Parem de falar dos nossos corpos, parem de nos dizer o que somos. Isto também é violência machista e é gordofobia", tuitou a cientista política Rocío Maciel.

O ator e músico Jey Mammon escreveu "apaguei meu comentário sobre a capa de Caras porque estava replicando a foto ao comentá-la".

Diante da onda de críticas, a diretora da revista, Liliana Castaño, publicou uma nota na qual assegura que a intenção foi "mostrar o grande momento de uma princesa" e "como lidou em ser a princesa 'plus size', como é chamada na Holanda", o que, segundo disse, é explicado na nota.

"Nossa capa é a favor de pôr de lado tudo aquilo que nos escraviza e estigmatiza", afirmou, tentando explicar a decisão editorial.

ls/gfe/mvv