PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Gigantes da tecnologia são criticados em audiência no Congresso americano

29/07/2020 22h05

San Francisco, 30 Jul 2020 (AFP) - Amazon, Apple, Google e Facebook são poderosos demais e provavelmente sairão da pandemia de coronavírus ainda mais fortes, afirmou nesta quarta-feira o presidente da comissão antitruste do Congresso dos EUA, David Cicilline, ao abrir uma audiência sem precedentes com os CEOs dos gigantes da tecnologia.

Tim Cook da Apple; Jeff Bezos, da Amazon; Mark Zuckerberg, do Facebook, e Sundar Pichai, do Google, testemunham remotamente ao subcomitê judicial da Câmara dos Deputados, que investiga se suas empresas violam leis antitruste.

"Simplificando, eles têm muito poder", disse David Cicilline, chefe da comissão antitruste da Câmara dos Deputados, em seu discurso de abertura à audiência virtual com os CEOs dos quatro gigantes da tecnologia nos EUA.

"Esse poder impede novas formas de competição, criatividade e inovação", acrescentou o representante democrata de Rhode Island". "As plataformas dominantes exerceram seu poder de uma maneira destrutiva e prejudicial à expansão".

"Antes da pandemia de COVID-19, essas empresas já se destacavam como titãs em nossa economia", disse. "No entanto, por causa da COVID-19, é provável que fiquem mais fortes e mais poderosos do que nunca".

A audiência conjunta, sem precedentes, perante o subcomitê da Câmara ocorre em meio à preocupação crescente pelo domínio dessas "Big Tech" e a uma investigação sobre a concorrência no marco de lei antimonopólio.

Diante da situação das gigantes do Vale do Silício, vários legisladores se mostraram decididos a rever a sleis do país para enfrentar seu extraordinário poder na sociedade atual.

- Outros temas - Contudo, a sessão abordou diversos outros temas, como discurso de ódio, desigualdade econômica, privacidade e proteção de dados e até mesmo os comentários frequentemente virulentos do presidente Donald Trump nas redes.

"Indo direto ao ponto: a grande tecnologia persegue os conservadores", disse Jim Jordan, congressista republicano de Ohio. "Não é uma suspeita. Não é um palpite. É um fato".

O democrata Jamie Raskin, de Maryland, discordou: "Se o Facebook está tentando reprimir o discurso conservador, então está fazendo um péssimo trabalho. Não entendo este choro interminável" dos republicanos.

Trump, que acusou o Facebook e o Twitter de censurar seus comentários e influenciar os conservadores, interveio com um tuíte pouco antes do início da audiência.

"Se o Congresso não fizer justiça com as Big Tech, como deveria já ter feito há anos, eu mesmo o farei com ordens executivas", prometeu. "Em Washington, foi FALAR TUDO E NÃO AGIR durante anos. O povo do nosso país está cansado!".

Zuckerberg e Pichai rejeitaram as alegações de que suas plataformas filtram visões conservadoras.

"Nosso objetivo é oferecer uma plataforma para todas as ideias", disse Zuckerberg. "Queremos dar voz a todo mundo".

"Nós focamos nosso trabalho de maneira não partidária", disse Pichai. "Continuaremos a nos comportar de maneira neutra".

- Monopólios? - Enquanto isso, Tim Cook enfrentou questões difíceis sobre o poder de mercado da App Store da Apple e seu tratamento aos desenvolvedores.

"Tratamos todos os desenvolvedores de aplicativos da mesma maneira", disse Cook. "Não retaliamos nem intimidamos as pessoas".

Alguns legisladores tentaram amenizar as críticas aos gigantes da internet, que também foram elogiados por sua inovação e introdução de novas tecnologias.

O republicano Jim Sensenbrenner argumentou que "ser grande não é necessariamente mau". "Pelo contrário, nos Estados Unidos devemos ser recompensados pelo sucesso", acrescentou o legislador de Wisconsin.

Bezos, em sua primeira aparição ao Congresso, defendeu a forma como a Amazon lida com os vendedores externos, após ser alvo de críticas de Cicilline.

"Não é verdade que as pequenas empresas não têm escolha a não ser recorrer à Amazon para se conectar com os clientes e fazer vendas on-line?", perguntou o presidente do comitê.

"Ouvimos repetidas vezes de fornecedores externos apontar no decorrer de nossa investigação que a Amazon é a única possibilidade", acrescentou.

Bezos rejeitou a alegação e observou: "Existem muitas opções para pequenas empresas. Acho que somos a melhor delas".

Em comentários preparados antes da audiência, Bezos lembrou suas origens humildes, bem como a perda de bilhões de dólares nos primeiros anos da Amazon.

As leis antimonopólio dos EUA dificultam que os reguladores tomem medidas contra as empresas simplesmente porque são grandes ou dominantes se não puderem demonstrar que prejudicam os consumidores ou abusam de seu poder de mercado.

O subcomitê judicial, no entanto, poderia estabelecer um modelo antimonopólio para a era digital que requer uma reescrita fundamental das leis seculares que regulam a concorrência.

"Houve um considerável ceticismo em relação ao setor tecnológico" por parte dos legisladores, declarou Darrell West, diretor do centro de inovação tecnológica da Brookings Institution.

Michael Carrier, professor de direito antimonopólio da Universidade de Rutgers, considerou que "a audiência mostrou que os representantes fizeram seu trabalho", e embora não acredite que provoque "mudanças imediatas", dará "um impulso continuo para desafiar estas empresas".

rl/jm/piz/ll/yow/mls/cc/am