PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Fundos de pensão se recuperam no Peru, mas alertam para nova ameaça

26/08/2020 19h47

Lima, 26 Ago 2020 (AFP) - Os fundos de pensão privados do Peru recuperaram quase toda a lucratividade que tinham antes da pandemia, mas alertaram sobre uma nova ameaça de um projeto de lei que permite a retirada antecipada de 100% da poupança, disseram seus executivos na quarta-feira.

A pandemia de COVID-19 fez com que um dos fundos de maior risco perdesse 18% de sua lucratividade, explicou Diego Marrero, gerente de investimentos da Habitat, uma das quatro administradoras de fundos de pensão privados do Peru.

No entanto, depois das quedas de março e abril, no início da quarentena nacional que durou mais de 100 dias, este fundo já recuperou 15 pontos.

"A partir de julho de 2020, boa parte dos retornos negativos havia sido recuperada", apontou Marrero por videoconferência com gestores dos outros três administradores.

A crise econômica derivada do novo coronavírus levou as autoridades do Peru a aprovarem o saque de até 25% dos recursos acumulados em contas individuais, com limite de 3.700 dólares para cada um dos seus sete milhões de membros.

Isso se traduziu em quase 5,5 bilhões de dólares que saíram dos fundos de pensão e foram usados principalmente no gasto e no consumo das famílias, segundo Marrero, em um contexto em que pelo menos 2,6 milhões de empregos foram perdidos.

O saque extraordinário começou em 18 de maio e terminou em 31 de julho.

As administradoras ressaltam que puderam enfrentar a extração em massa dos fundos, sem que houvesse quebra, por terem feito uma venda ordenada de ativos (como os bônus soberanos do Peru) e pelo apoio financeiro do Banco Central peruano.

As administradores enxergam, entretanto, novas ameaças no futuro: um polêmico projeto de lei que está em debate no Congresso peruano que, se aprovado, permitiria a retirada de até 100% dos fundos de contribuição que atendam a determinadas condições.

Se aprovado, o projeto pode deixar 3,7 milhões de trabalhadores peruanos sem aposentadoria, segundo gestores de fundos.

et/fj/ljc/mr/cc