PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Recuperação da economia mundial será longa, desigual e incerta, diz diretora do FMI

Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI, disse que é necessário "manter os salva-vidas" para a economia - Mike Theiler
Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI, disse que é necessário "manter os salva-vidas" para a economia Imagem: Mike Theiler

Em Washington (EUA)

06/10/2020 10h02

A recessão global em 2020 gerada pela pandemia do novo coronavírus será menos severa que o previsto inicialmente, mas o caminho para a recuperação vai ser "longo, desigual e incerto", advertiu hoje a diretora-gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional), Kristalina Georgieva.

"O panorama é menos nefasto hoje. Avaliamos que a evolução no segundo e terceiro trimestres foi melhor do que o esperado, o que permite uma pequena revisão em alta do prognóstico global para 2020", afirmou Georgieva, em um discurso antes da reunião semestral do FMI e do Banco Mundial, prevista para a próxima semana, em formato virtual.

Georgieva disse, no entanto, que o caminho para a recuperação será uma "longa escalada" e destacou que o avanço da economia vai ser "longo, desigual e incerto".

Em 24 de junho, o FMI publicou uma atualização muito sombria de suas previsões, com a estimativa de uma contração da economia global de 4,9%, contra uma projeção de uma queda do PIB (Produto Interno Bruto) mundial de 3%, anunciada em abril.

A diretora do FMI não antecipou números nesta terça-feira: a publicação do relatório WEO (Perspectivas da Economia Mundial, na sigla em português) acontecerá na próxima semana.

Manter os salva-vidas

Para a América Latina e Caribe, o FMI projetou em junho uma contração do PIB de 9,4% em 2020.

Na segunda-feira, porém, o Fundo melhorou consideravelmente a previsão para o Brasil este ano: de uma contração de 9,1% antecipada em junho para uma queda do PIB de 5,8%.

Em seu discurso, Georgieva afirmou que, nos locais em que a pandemia persiste, é necessário "manter os salva-vidas" para a economia, as empresas e os trabalhadores.

"Se os salva-vidas forem cortados muito cedo, a longa escalada se transformará em uma queda vertiginosa", disse.