PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

G20 aprova programa de renegociação da dívida para países pobres

13/11/2020 12h31

Riade, 13 Nov 2020 (AFP) - O grupo das 20 nações mais desenvolvidas do planeta (G20) aprovou nesta sexta-feira (13) um programa para reestruturar a dívida de dezenas de países pobres afetados pela pandemia do coronavírus.

O programa estabelece regras comuns para todos os membros do clube para reduzir, ou refinanciar, a dívida desses países, embora o exame seja feito "caso a caso".

A suspensão dos pagamentos da dívida externa aos países do G20 já foi prorrogada no mês passado, por um período de seis meses.

O Banco Mundial e as organizações que trabalham pela abolição total da dívida pediram uma suspensão de um ano.

Em reunião virtual, os ministros das Finanças do G20, atualmente presidido pela Arábia Saudita, especificaram que "em princípio, o exame da dívida [de cada país] não significará o cancelamento".

"Se for necessário o cancelamento da dívida, nos casos mais difíceis (...) cada credor participante fará seus procedimentos internos de aprovação, sem deixar de informar os demais credores a respeito", explica o texto.

Ao todo, 73 países fazem parte da iniciativa de suspensão da dívida do G20, dos quais 38 são países africanos.

A China é a principal beneficiária deste acordo, já que financiou importantes projetos de infraestrutura em países em desenvolvimento.

O gigante asiático relutou em perdoar totalmente as dívidas desses países pobres.

O acordo é "histórico", explicou o ministro da Economia da França, Bruno Le Maire.

"Pela primeira vez, todos os principais credores - membros, ou não, do Clube de Paris - coordenarão a revisão da dívida dos países pobres", explicou.

"Isso trará mais transparência ao processo e envolverá credores privados", afirmou.

"Este anúncio está aquém do que é necessário para conter a onda de crise da dívida nos países mais pobres", reagiu Tim Jones, da ONG britânica Jubilee Debt Campaign.

O Banco Mundial informou, no mês passado, que a dívida desses 73 países cresceu 9,5% em um ano, para totalizar US$ 744 bilhões.

burs-ac/hkb/jz/eg/mr