PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

EUA mantêm a pressão em seu conflito comercial com os europeus

31/12/2020 15h37

Paris, 31 dez 2020 (AFP) - Os Estados Unidos decidiram aumentar as tarifas de vários produtos europeus no final do ano, provocando reações de rejeição da Airbus, dos vinicultores franceses e de Bruxelas, em um novo episódio de conflito comercial que não dá trégua.

A nova medida, que entrará em vigor no dia 12 de janeiro, é dirigida aos produtos franceses e alemães e envolve o aumento das tarifas de vinhos não espumantes, mosto de uva e conhaque em 25%, além de 15% sobre a fuselagem e outras partes de aeronaves, que até agora não foram aplicadas, de acordo com lista divulgada nesta quinta-feira(31) pelo Representante de Comércio dos Estados Unidos (USTR).

Esses impostos, anunciados três semanas antes do final do mandato de Donald Trump, serão somados aos já cobrados desde 2019 nas importações europeias, como vinho, queijo, azeite ou uísque, assim como de aeronaves de Airbus.

"Esta ação unilateral dos EUA está interrompendo as negociações em curso entre a Comissão e o representante comercial dos EUA para encontrar uma solução para a disputa de longa data entre fabricantes de aeronaves", disse a Boeing e a Airbus, em comunicado na quinta-feira.

"A UE trabalhará com a nova administração dos EUA o mais rápido possível para continuar essas negociações e encontrar uma solução duradoura para essa disputa", acrescentou o executivo da UE.

- Setor "sacrificado" -"Tínhamos medo de que o conflito se intensificasse, aconteceu e vai durar", disse à AFP César Giron, presidente da Federação dos Exportadores de Vinhos e Bebidas Alcoólicas da França (FEVS), estimando que o déficit poderia ultrapassar um bilhão de euros (US $ 1,2 bilhão) para a indústria do vinho.

A indústria francesa de vinhos e destilados está sendo "sacrificada por uma disputa pela aeronáutica", denunciou a federação.

A Airbus lamentou "que o USTR tenha decidido intensificar essa disputa tomando uma medida que também prejudica a indústria manufatureira, os trabalhadores e os consumidores dos Estados Unidos".

O fabricante da aeronave acrescentou que estava "convencido de que a Europa reagirá de maneira adequada".

A Airbus argumenta que os novos impostos irão penalizar em particular as importações de peças para sua fábrica de montagem em Mobile, Alabama.

Washington obteve autorização da Organização Mundial do Comércio (OMC) para as medidas alfandegárias. E em outubro, em decisão de reciprocidade, a instituição também autorizou a UE a aplicar direitos aduaneiros adicionais aos produtos importados dos Estados Unidos.

- A mais longa disputa comercial -A Airbus e seu concorrente americano Boeing, e através deles, a União Europeia e os Estados Unidos, lutam desde outubro de 2004 na OMC pela ajuda pública paga aos dois grupos, consideradas ilegais, no mais longo e complicado conflito comercial que é da responsabilidade da instituição que garante o equilíbrio do comércio mundial.

Em outubro de 2019, os Estados Unidos foram autorizados a cobrar impostos de cerca de US $ 7,5 bilhões (EUR 6,8 bilhões) em bens e serviços europeus importados a cada ano, a penalidade mais severa já imposta pela OMC.

Desde então, Washington impôs uma tarifa de 25% sobre certos produtos importados da União Europeia e 15% sobre os aviões Airbus (inteiros).

Em retaliação, desde o início de novembro a UE impõe direitos alfandegários sobre US $ 4 bilhões das exportações dos EUA.

Assim, os Boeings são tributados em 15% e alguns produtos agrícolas, agroalimentares ou manufaturados em 25%.

burs-mlb/aue/spi/pc/bc/jc

BOEING

AIRBUS GROUP