PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Aumenta tensão entre Twitter e Índia por bloqueio de contas

10/02/2021 19h52

Nova Délhi, 10 Fev 2021 (AFP) - O Twitter anunciou nesta quarta-feira (10) que suspendeu várias contas vinculadas aos grandes protestos de agricultores na Índia, mas a rede social se recusou a responder a todas as demandas do governo indiano, apesar de suas ameaças de proceder com ações penais.

A empresa sediada em São Francisco afirmou duvidar que as exigências de Nova Délhi estivessem "de acordo com a lei indiana".

"Com base em nossos princípios de defesa da liberdade de expressão, não adotamos nenhuma medida contra as contas de grupos midiáticos, jornalistas, ativistas e políticos", afirmou.

A rede social, porém, indicou que havia "suspendido" várias contas, algumas "permanentemente" e outras apenas "na Índia".

Em 1º de fevereiro, a pedido do governo indiano, o Twitter bloqueou temporariamente várias contas e tuítes, principalmente as mensagens de uma importante revista de informação e de agricultores que organizavam os protestos na capital indiana.

Segundo fonte do Ministério das Tecnologias da Informação, o governo pediu à rede social para atuar contra cerca de 250 contas e tuítes, por considerá-los uma "grave ameaça à ordem pública".

O bloqueio foi temporário e o governo mais tarde alertou o Twitter que cogitaria "ações penais" contra ele.

Nesta quarta-feira, o ministério disse que o Twitter havia cumprido "de má vontade, relutância e com grande atraso as partes substanciais da ordem".

Ajay Prakash Sawhney, uma autoridade do ministério, comparou a reação do Twitter às medidas adotadas após o ataque ao Capitólio nos Estados Unidos e acusou a rede de estar ao lado dos que "provocam alterações na ordem pública" na Índia.

"A liberdade de expressão não é absoluta" e está sujeita aos interesses da ordem pública, acrescentou.

Desde novembro, dezenas de milhares de agricultores acamparam na periferia de Délhi, exigindo a revogação das reformas destinadas a liberalizar o mercado de produtos agrícolas que, segundo eles, levarão o setor agrícola do país às mãos de grandes conglomerados.

grk/stu/am/axn/lth/clp/tjc/lda/bn