PUBLICIDADE
IPCA
+0,31 Abr.2021
Topo

Grupo AstraZeneca: Lucro dobra no 1º tri; venda de vacinas soma US$ 275 mi

As vendas da vacina representam 4% de seu volume de negócios, que aumentou 15%, a US$ 7,3 bilhões - Reuters
As vendas da vacina representam 4% de seu volume de negócios, que aumentou 15%, a US$ 7,3 bilhões Imagem: Reuters

Em Londres

30/04/2021 07h59Atualizada em 30/04/2021 11h53

O grupo farmacêutico anglo-sueco AstraZeneca anunciou hoje que dobrou o lucro líquido em ritmo anual no primeiro trimestre de 2021, período em que as vendas de sua vacina contra a covid-19 alcançaram US$ 275 milhões.

O laboratório, que revela pela primeira vez seu faturamento pela vacina, registrou lucro líquido de US$ 1,56 bilhão nos primeiros três meses do ano, comparado com US$ 780 milhões no mesmo período de 2020, segundo um comunicado.

As vendas da vacina representam 4% de seu volume de negócios, que aumentou 15%, a US$ 7,3 bilhões.

A AstraZeneca divulgou números sobre a vacina apenas para o primeiro trimestre, sem explicar se é o valor total do volume de negócios desde o lançamento do fármaco.

A vacina do grupo é uma das mais baratas do mercado e a empresa afirma que está vendendo a preço de custo.

A americana Pfizer, com uma vacina mais cara, calcula que as vendas de seu fármaco anticovid representarão US$ 15 bilhões em 2021.

A vacina Astrazeneca sofreu atrasos de entrega na Europa e a eficácia do fármaco foi questionada por possíveis efeitos colaterais.

Atualmente, a vacina do grupo anglo-sueco é aplicada de forma restrita na maioria dos países da União Europeia devido aos riscos de casos isolados e raros de trombose. A Dinamarca, por exemplo, a proibiu totalmente.

A UE processa o laboratório por não ter cumprido os compromissos nas entregas do imunizante, um processo que a empresa considera "sem fundamento".

A AstraZeneca registrou aumento das vendas de novos tratamentos, em particular oncológicos, uma de suas especialidades.

A pandemia provocou um efeito negativo nos diagnósticos e tratamento de outras doenças, mas Pascal Soriot, CEO do grupo, elogiou os resultados.

"Os novos medicamentos significaram mais da metade da receita e todas as regiões geraram um crescimento promissor", disse.