PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Desemprego no Brasil se mantém em nível recorde de 14,7%

30/06/2021 14h14

Rio de Janeiro, 30 Jun 2021 (AFP) - A taxa de desemprego no Brasil se manteve no nível recorde de 14,7% no período fevereiro-abril, depois de três aumentos mensais consecutivos causados pela segunda onda da pandemia, de acordo com dados oficiais divulgados nesta quarta-feira (30).

No mesmo período do ano passado, quando o novo coronavírus registrou suas primeiras vítimas no país, a taxa de desemprego era de 12,6%.

Em números absolutos, havia 14,8 milhões de pessoas em busca de trabalho no período fevereiro-abril, quase 2 milhões a mais que há um ano, informou o instituto de estatística IBGE, que realiza seus estudos com base nos trimestres móveis.

O relatório mostra aumento na taxa de "subutilização" da força de trabalho (desocupados e pessoas com menos horas trabalhadas do que precisam), que em fevereiro-abril atingiu o recorde de 29,7%, diante dos 25,6% no mesmo período do ano passado.

O número de pessoas 'subutilizadas' atingiu 33,3 milhões, 4,6 milhões a mais do que há um ano.

O contingente de pessoas "desalentadas" (que deixaram de procurar trabalho por falta de oportunidades) manteve-se em torno de 6 milhões, estável em relação ao período janeiro-março deste ano, mas com um aumento interanual de 18,7%.

A economia brasileira teve uma retração no ano passado de 4,1%, e neste ano deve crescer cerca de 5%, segundo projeções oficiais e do mercado, que melhoraram nas últimas semanas principalmente por causa do dinamismo do setor agroexportador.

Se a dinâmica de recuperação e o avanço da vacinação se confirmarem, o número de pessoas que voltariam a procurar trabalho deve aumentar, segundo analistas.

E, nesse caso, "mesmo diante de uma expansão da ocupação, esta não deverá ser suficientemente forte para reduzir a taxa de desemprego", explica o IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

"Partindo-se da hipótese de que a força de trabalho já tivesse retomado o seu ritmo de crescimento anual para níveis similares aos registrados nos meses anteriores à pandemia (...), a taxa de desocupação apurada seria de 19,4%, bem acima da registrada no período (14,7%)", acrescenta o instituto.

js/jm/gm/bn