PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Variante delta afetou o emprego nos EUA em setembro

08/10/2021 16h41

Washington, 8 Out 2021 (AFP) - A economia dos Estados Unidos encaminhava-se para gerar centenas de milhares de empregos no mês passado, mas criou apenas 194.000, enquanto a variante delta do coronavírus voltou a impedir ao presidente Joe Biden a recuperação do mercado de trabalho que ele esperava.

As escolas eliminaram empregos e os bares e restaurantes, que se tornaram uma espécie de barômetro da ameaça do vírus às empresas, contrataram pouco, segundo o relatório de emprego de setembro do Departamento do Trabalho.

No entanto, destacou que a maior economia do mundo percorreu um longo caminho desde as semanas devastadoras do ano passado, quando a covid-19 fez dezenas de milhões perderem seus empregos: a taxa de desemprego caiu em setembro mais do que o esperado para 4,8% e receita com o emprego nos dois últimos meses foi revista para cima.

Pela primeira vez desde março de 2020, a taxa de desemprego foi inferior a 5% e isso é um "sinal de que a nossa recuperação avança", afirmou Biden.

"Nos primeiros oito meses do meu governo, foram criados quase cinco milhões de empregos. Os trabalhos aumentaram, o desemprego caiu. Isso é um progresso", declarou.

Biden busca uma reativação econômica para arcar com os projetos de lei de despesas que considera prioritários. Ao mesmo tempo, quer espantar as tentativas da oposição republicana de usar o teto da dívida no país para fazê-lo recuar em seus projetos.

"Os números são piores do que deveriam ser, mas são melhores do que parecem", tuitou Jason Furman, acadêmico de Harvard que assessorou o ex-presidente Barack Obama.

A presidente democrata da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, qualificou o relatório como "uma prova adicional da necessidade da agenda dos democratas para a criação de empregos". O Comitê Nacional Republicano, ao contrário, tuitou: "Joe Biden falhou com os americanos".

Os analistas concordam em uma coisa: os dados são suficientes para que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) comece a desacelerar suas compras maciças de bônus e valores para apoiar a economia durante a pandemia como tinha informado que faria no fim do ano.

"Com as gambiarras do teto da dívida adiadas até 3 de dezembro, agora o caminho está aberto para um anúncio na reunião de novembro" do comitê de política do Fed, disse Lydia Boussour, da Oxford Economics.

O Departamento do Trabalho destacou que o emprego aumentou nos setores de lazer e hotelaria, muito afetados pela covid-19, mas diminuiu no ensino público.

A geração de emprego caiu em relação aos 366.000, depois de uma revisão para cima, dos gerados em agosto, e pode ser um sinal de que a variante delta da covid-19 fez as empresas hesitarem e frearem as contratações.

A economia americana criou 17,4 milhões de postos de trabalho desde abril de 2020, quando o mercado de trabalho foi devastado pela chegada da covid-19, embora, segundo dados oficiais, ainda faltem cinco milhões de empregos em comparação com os que tinha antes da pandemia.

O lazer e a hotelaria somaram 74.000 postos de trabalho em setembro, enquanto os estabelecimentos de comida e bebida - uma das indústrias mais vulneráveis aos surtos de covid-19 - se mantiveram praticamente iguais no segundo mês consecutivo, depois da criação de 197.000 empregos mensalmente entre janeiro e julho, em média.

A educação dos governos locais perderam 144.000 postos de trabalho e a dos governos estaduais, outros 17.000.

As autoridades advertem no relatório que "as mudanças recentes no emprego são difíceis de interpretar, já que as flutuações de pessoal, relacionadas com a pandemia na educação pública e privada distorceram os padrões normais de contratação e demissão sazonais".

A taxa da população ativa, que indica a proporção dos cidadãos empregada ou que procura trabalho ativamente, situou-se em 61,6% no mês passado, dentro da margem em que tinha oscilado desde junho do ano passado.

cs/bfm/gm/lm/mvv

PUBLICIDADE