PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Wall Street fecha em forte baixa após declarações do Fed

30/11/2021 21h16

Nova York, 1 dez 2021 (AFP) - A bolsa de Nova York encerrou sua última sessão de novembro em forte queda nesta terça-feira (30) por preocupações sobre a variante ômicron da covid-19 e declarações do presidente do Fed sobre a inflação e a política monetária.

No fechamento, o Dow Jones perdeu 1,86% a 34.483,72 pontos, o tecnológico Nasdaq, 1,55% a 15.537,69 unidades, e o S&P 500, 1,90% a 4.567. No mês, o Dow Jones caiu mais de 3%.

Os índices já começaram o dia desestabilizados pela ômicron, responsável desde seu aparecimento na África do Sul, na sexta-feira, pelo pior dia da bolsa americana no ano, assim como pelas interrogações sobre a eficácia das vacinas para combater esta cepa.

A queda se acelerou com as declarações de Jerome Powell, presidente do Fed, em uma comissão do Senado.

Os aumentos dos preços nos Estados Unidos podem durar mais do que o previsto, disse Powell, que advertiu nesta terça-feira para a ameaça de uma "inflação alta e persistente" no país.

Durante meses, o titular do Fed (banco central americano) qualificou de "transitória" a inflação alta, argumentando gargalos na cadeia de abastecimento e escassez de bens e trabalhadores. No entanto, nesta terça-feira, disse perante a Comissão Bancária do Senado que é hora de "retirar" este termo.

"Claramente, o risco de uma inflação mais persistente aumentou", disse Powell aos legisladores.

O Fed já começou a retirar suas medidas de estímulo, adotadas para mitigar o impacto da pandemia na economia, mas Powell, a quem o presidente Joe Biden nomeou na semana passada para um segundo mandato à frente do banco central, tinha pregado anteriormente paciência em relação à elevação das taxas de juros, argumentando que os problemas de abastecimento se resolveriam nos próximos meses.

No entanto, nesta audiência sugeriu que o ritmo de retirada das compras mensais de ativos realizadas pelo organismo poderia se acelerar. Isso significaria que o Fed estaria em condições de elevar antes do esperado as taxas de referência de juros.

O tom surpreendeu, já que está na contramão do clima geral de temror com uma nova paralisia na economia por causa da ômicron, o que se aprofundaria com um ajuste das taxas.

vmt/jul/mr/mvv

PUBLICIDADE