PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Mercado de trabalho dos EUA encerra 2021 com sinais contraditórios

07/01/2022 17h49

Washington, 7 Jan 2022 (AFP) - O índice de desemprego caiu a níveis quase pré-pandêmicos nos Estados Unidos, mas foram criados menos postos de trabalho do que o previsto, resultado que mostra os desafios que o presidente Joe Biden terá que enfrentar em 2022, embora isso não o tenha impedido de saudar "um dia histórico".

"O plano econômico de Biden funciona e faz com que os Estados Unidos voltem ao trabalho", afirmou o presidente em discurso na Casa Branca.

A maior economia do mundo criou apenas 199.000 postos de trabalho no último mês de 2021, longe dos 440.000 esperados pelos analistas, enquanto a taxa de participação no mercado de trabalho se manteve estável, em 61,9%.

Os números são ainda mais decepcionantes dado que os dados foram reunidos antes que a variante ômicron do coronavírus se espalhasse pelo país e provocasse o fechamento de diversas atividades, inclusive escolas, e quarentenas para centenas de milhares de pessoas por dia.

Mas Biden insistiu em que a taxa de desemprego continuou caindo no fim do ano passado, mais do que o previsto, para 3,9% (-0,3), se aproximando do índice anterior à pandemia (3,5%). O lado negativo, porém, é que o desemprego é maior entre negros (7,1%) e latinos (4,9%).

O presidente americano também destacou que foram criados 6,4 milhões de postos de trabalho desde dezembro de 2020, um recorde. Mas faltam 3,6 milhões em relação às cifras de fevereiro de 2020.

Para Biden, recuperar o pleno emprego e controlar a inflação, que disparou há vários meses, é fundamental neste ano eleitoral, no momento em que sua política econômica é alvo das críticas da oposição, e até mesmo dentro do campo democrata.

"O relatório de dezembro sobre o emprego é o pior da presidência de Joe Biden e apenas o sinal mais recente de que sua crise econômica continua", comentaram os republicanos na Câmara dos Representantes.

"Pura estupidez. Esta é a única explicação para os números de emprego da administração Biden. [...] A agenda socialista fracassada de Joe Biden está matando a economia americana", tuitou o senador republicano Rick Scott.

Por outro lado, para o assessor econômico da Casa Branca Brian Deese, "existem milhões de famílias e trabalhadores americanos que melhoraram suas vidas graças à recuperação econômica historicamente forte de 2021".

- Corda bamba -

Analistas explicaram hoje que o fato de terem sido criadas menos vagas apesar da queda pronunciada do desemprego pode se dever ao aumento do número de trabalhadores autônomos que ainda não entraram nas estatísticas.

Agora, todos os olhares estão sobre o Fed, o banco central, que poderia elevar a taxa básica de juros para fazer frente à inflação, o que levaria ao risco de desaceleração do crescimento e, consequentemente, do emprego.

"No contexto de uma situação sanitária que se deteriora rapidamente, a paralisação da atividade econômica no primeiro trimestre obrigará o presidente do Fed [Jerome] Powell a caminhar sobre a corda bamba nas futuras reuniões", resumiu Gregory Daco, economista da Oxford Economics.

Atualmente, os Estados Unidos registram mais de 550 mil novos casos de covid por dia, segundo estimativa dos CDC, o principal órgão de saúde pública do país. Além disso, na semana que terminou em 1º de janeiro, a ômicron representou 95% dos novos.

A variante tem se mostrado menos fatal que as anteriores, mas muito mais contagiosa, e a onda de infecções compromete o retorno ao trabalho, especialmente das mulheres, que são obrigadas a ficar com seus filhos.

- Desequilíbrio -

"Tudo isso evidencia que o desempenho da economia permanece estreitamente vinculado às ondas da pandemia", tuitou Mark Zandi, de Moody's Analytics, assinalando que as empresas administram cada vez melhor as ondas de infecção.

O ano de 2021, por exemplo, ficou marcado pelo profundo desequilíbrio entre a enorme oferta de trabalho - em particular de baixa remuneração - e a demanda, pois a pandemia provocou uma mudança nas aspirações dos trabalhadores americanos.

A chamada "grande renúncia", um fenômeno no qual muitos trabalhadores, geralmente de baixa qualificação, estão deixando seus empregos, está em curso desde meados do segundo semestre.

Apenas em novembro, 4,5 milhões de pessoas deixaram seus empregos, um recorde, segundo dados do órgão oficial de estatísticas, e espera-se que essa tendência continue pelo menos nos primeiros meses de 2022.

Dt/vmt/eb/dg/dga/rpr/lb

PUBLICIDADE