PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Ministro de Economia argentino considera acordo com o FMI um 'passo à frente'

25/03/2022 19h57

Paris, 25 Mar 2022 (AFP) - A aprovação pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) do acordo com a Argentina é um "passo à frente" no processo de "estabilização macroeconômica" e "recuperação econômica", disse à AFP nesta sexta-feira (25) o ministro argentino da Economia, Martín Guzmán.

Guzmán deu essas declarações durante uma entrevista à AFP em Paris, onde na terça-feira obteve uma prorrogação de seu acordo com o Clube de Paris para adiar vencimentos e se reuniu com a Agência Internacional de Energia (AIE).

Pergunta: Como avalia a aprovação pelo conselho do FMI do acordo de refinanciamento da dívida de US$ 45 bilhões de dólares?

Resposta: É um passo importante para a Argentina no processo de estabilização macroeconômica, que permite que o país continue construindo condições para dar continuidade à forte recuperação econômica que vem experimentando.

Esta semana foram divulgados os dados de emprego, investimento e produção. O PIB cresceu 10,3%, superando todas as previsões. Organizações multilaterais projetaram que levaria entre quatro e cinco anos para recuperar o que foi perdido no pior ano da pandemia (2020) e aconteceu em apenas um ano.

Hoje o país tem um milhão de empregos a mais do que em 2019. A taxa de desemprego atingiu 13,1% em 2020 e já está em 7%.

E o investimento também apresentou um crescimento muito forte, 32,9% em 2021.

Foi muito importante poder contar com a possibilidade de refinanciar as dívidas que tinham sido tomadas em 2018 e em 2019 junto do FMI, para que haja condições de maior estabilidade que permitam a continuidade do crescimento do investimento, em a recuperação do emprego e da produção.

P: O FMI alertou sobre a preocupação com o cumprimento de algumas metas em função da guerra na Ucrânia. Você acha que essa preocupação é razoável? Como a guerra na Ucrânia pode afetar a economia da Argentina?

R: A guerra na Ucrânia está pressionando fortemente os preços das commodities e gerando uma situação crítica no campo energético em nível global.

Para a Argentina, o efeito sobre o balanço de pagamentos a preços correntes é relativamente neutro. Há um impacto negativo devido ao aumento do preço do gás, mas há um impacto positivo devido ao aumento dos preços das commodities e dos minerais que (a Argentina) exporta.

Abordaremos os diferentes desafios que se colocam ao nível fiscal e ao nível dos preços no quadro dos princípios que estão na base do programa que acaba de ser aprovado.

As diretrizes macroeconômicas são adequadas para que a Argentina possa fortalecer as condições para a continuidade da recuperação econômica e ter maior estabilidade.

P: O presidente argentino, Alberto Fernández, garantiu que o acordo permitirá "ordenar as variáveis macroeconômicas centrais no combate à inflação". Especificamente, com que medidas pretende atingir este objetivo?

R: Indo para a estratégia abrangente de enfrentamento do problema inflacionário, em primeiro lugar é preciso fortalecer as reservas cambiais que o Banco Central possui para que haja maior estabilidade cambial.

Buscamos continuar vivenciando uma trajetória de crescimento das exportações, tanto em valor quanto em quantidade. E há oportunidades muito importantes, principalmente na área de energia. A política energética será um foco central.

Em segundo lugar, busca continuar melhorando o perfil de financiamento das políticas públicas.

Em terceiro lugar, busca atacar o fator de inércia por meio do que chamamos de políticas de preços e renda, para que o poder de compra dos salários seja recuperado, enquanto as expectativas são ancoradas por meio de acordos de preços alinhados às diretrizes de redução da inflação.

P: As medidas que você menciona são compatíveis com o objetivo de redução do déficit acordado com o FMI?

R: Para nós é importante conseguir reduzir o déficit, mas com base no crescimento econômico, como aconteceu em 2021, em que o déficit primário do setor público foi reduzido em 6,4% do PIB em 2020 para 3% do PIB, no contexto de uma economia que cresceu mais de 10%.

O aumento da receita foi usado em parte para uma política de gastos anticíclica que sustenta a recuperação econômica e foi eficaz em contribuir para o crescimento de 10% e maior desenvolvimento da infraestrutura pública e, em parte, para reduzir o déficit. Procuramos continuar na mesma linha.

P: A votação na Argentina sobre o acordo trouxe uma certa fratura dentro do partido no poder. Essa fratura poderia minar a confiança do FMI na Argentina?

R: No passado houve 21 acordos e programas entre a Argentina e o FMI, nenhum deles funcionou. Nunca um programa teve tanto apoio social e político quanto o atual.

É a primeira vez na história que um programa é enviado ao Congresso Nacional para aprovação. E esta é uma exigência legal hoje na Argentina.

Este programa foi aprovado por ambas as Câmaras com 80% de votos afirmativos e esse é um resultado muito importante para a Argentina. O processo em si foi um avanço para o nosso país.

tjc/aoc/am