PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Inflação no Brasil cede em maio e cai para 11,73% em 12 meses

09/06/2022 12h00

Rio de Janeiro, 9 Jun 2022 (AFP) - A inflação no Brasil recuou em maio na comparação mensal, situando-se em 0,47%, e recuou para 11,73% na medição em 12 meses - informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em abril passado, a alta dos preços foi de 1,06%, a maior em 26 anos para este mês, e o índice anualizado ficou então em 12,13%, um percentual inédito desde outubro de 2003, segundo dados oficiais.

Oito dos nove grupos estudados tiveram altas em maio, de acordo com o IBGE. O setor de hotelaria foi o único a apresentar queda, de 1,70%.

O "maior impacto" no indicador foi na categoria de transporte, com uma influência de 0,30 ponto percentual. Registrou um aumento de preços de 1,34% - de qualquer modo abaixo do 1,91% de abril -, que se explica pelo aumento do valor das passagens aéreas (18,33%).

O setor de alimentos e bebidas também avançou (0,48%), embora com uma alta mais tímida do que os 2,06% de abril.

O aumento dos preços dos produtos básicos, que atinge principalmente a população mais vulnerável, motivou o Ministério da Economia a ordenar em maio a redução das tarifas de importação de uma pauta de mercadorias para reduzir seu custo.

O índice de maio ficou abaixo da estimativa média dos analistas consultados pelo jornal Valor Econômico, que esperavam um aumento de preços de 0,59%. Ainda assim, ficou dentro das margens previstas pelos especialistas, entre 0,40% e 0,75%.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) acumula alta de 4,78% nos primeiros cinco meses do ano, aproximando-se do teto de 5% da meta do Banco Central (BC) para 2022.

Os constantes aumentos de preços são uma grande preocupação para o governo de Jair Bolsonaro, que busca um novo mandato nas eleições de outubro.

O Banco Central tenta controlar os preços com aumentos de juros desde março de 2021. As expectativas do mercado crescem no calor dos aumentos, com a projeção de uma inflação de 8,89% até o fim do ano, segundo a última pesquisa Focus do BC.

raa/app/mr/tt