Inflação acelera no Brasil e chega a 4,61% em 12 meses

A inflação no Brasil foi de 0,23% em agosto, uma aceleração que eleva a 4,61% a alta dos preços em 12 meses, informou nesta terça-feira (12) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

O aumento do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em agosto é o segundo consecutivo depois de julho (0,12%), quando a medição acumulada em 12 meses registrou a primeira alta em um ano, ficando em 3,99%. 

Os preços da maior economia sul-americana foram impactados em agosto pelos aumentos nos setores de habitação (1,11%, principalmente devido ao aumento nas contas de luz), saúde e cuidados pessoais (0,58%) e transportes (0,58%), afetados principalmente pelos aumentos na gasolina. Já a categoria alimentação e bebidas caiu 0,85%. 

"Temos observado quedas ao longo dos últimos meses em alguns itens importantes no consumo das famílias como, por exemplo, a carne bovina e o frango", afirmou André Almeida, gerente do IPCA no IBGE, que atribui esta redução a uma maior oferta. 

Devido a uma melhora na inflação após o impacto da pandemia e a guerra na Ucrânia, o Banco Central do Brasil iniciou em agosto um ciclo de "flexibilização" da elevada taxa básica de juros (Selic), com um corte de 0,50 ponto percentual para 13,25%, a primeira queda em três anos.

A consultora Capital Economics considera que o Banco Central manterá a flexibilização apesar da aceleração da inflação, embora estime que o ciclo será mais gradual. 

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva insiste em uma redução das taxas de juros para baratear o crédito, incentivar o consumo e os investimentos.

O mercado projeta que o país termine 2023 com uma inflação de 4,93%, segundo a última pesquisa Focus, divulgada pelo Banco Central. 

mel/app/dga/jc/dd

Continua após a publicidade

© Agence France-Presse

Deixe seu comentário

Só para assinantes