Bolsas

Câmbio

Apesar de otimismo, OCDE vê PIB do Brasil como o pior entre países do G20 em 2016 e em 2017

A forte recessão deve fazer com que o Brasil tenha o pior desempenho entre o G20 (grupo das maiores economias do mundo) em 2016 e em 2017, segundo a OCDE (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

De acordo com o relatório trimestral Global Economic Outlook (Panorama Econômico Global), divulgado nesta segunda-feira, o PIB (Produto Interno Bruto, ou a soma de riquezas de um país) brasileiro vai registrar contração de 3,4% neste ano e crescimento nulo (0%) em 2017. As estimativas melhoraram em relação às projeções feitas em junho, que falavam em queda - tanto em 2016 quando no próximo ano - de 4,3% e 1,7%, respectivamente.

Segundo a OCDE, a retomada só vai acontecer em 2018, quando a economia brasileira deverá crescer 1,2%.

Se confirmadas as projeções, o Brasil entrará no terceiro ano consecutivo de queda do PIB. Atualmente, o país vive um cenário de recessão com inflação, o que dificulta a recuperação da economia.

As estimativas diferem das do governo e da pesquisa Focus (expectativas do mercado), publicada pelo Banco Central. A previsão oficial do governo é de retração de 3,5% neste ano. Para 2017, a projeção é de crescimento de 1%. Por outro lado, segundo a última pesquisa, o mercado calcula queda de 3,49% em 2016 e alta de 0,98% no ano que vem.

De abril a junho, o PIB brasileiro recuou 0,6% em relação ao trimestre anterior. Foi o sexto trimestre consecutivo de queda.

"A economia está emergindo de uma recessão severa e prolongada. A incerteza política diminuiu, a confiança do consumidor e dos empresários está aumentando, e o investimento se fortaleceu. No entanto, o desemprego deve continuar aumentando até 2017, para só depois cair gradualmente. A inflação deve retornar gradualmente para a meta", destaca o documento da OCDE - a organização reúne 35 países, em sua maioria desenvolvidos.

"A trajetória fiscal é ligeiramente contracionista ao longo do período de projeção. Um ajuste fiscal efetivo permitiria uma maior flexibilização da política monetária e sustentaria uma recuperação do investimento. O aumento da produtividade dependerá do fortalecimento da concorrência, por meio de barreiras comerciais menores, incluindo menos encargos administrativos e melhorias na infraestutura", acrescenta a nota da OCDE, sediada em Paris.

'Aquém do cronograma'

No relatório, a OCDE também chama atenção para o crescimento dos gastos públicos e da dívida pública no Brasil.

"Os gastos públicos estão superando o PIB por muitos anos e a dívida pública vem crescendo. Uma nova regra fiscal está sendo implementada e, em combinação com a planejada reforma de aposentadorias e de benefícios sociais, deverá fortalecer a sustentabilidade fiscal", diz o relatório.

"Essas reformas podem simultaneamente levar a quedas maiores na desigualdade de renda. No lado das receitas, há um espaço substancial para reduzir a complexidade e os custos de 'compliance' com a consolidação de impostos indiretos estatais e federais em um único tributo de valor agregado", acrescenta.

Apesar de destacar que a "implementação das reformas vai ganhar impulso em relação ao passado", a organização ressalva que elas "ficam aquém do cronograma ambicioso necessário".

"O crescimento lento dos dividendos e uma contínua contração do crédito privado vai limitar a alta do consumo inicialmente, embora taxas de juros mais baixas possam, eventualmente, permitir que a recuperação do consumo se acelere. No contexto de baixo crescimento do comércio internacional e dos atuais desafios de competitividade, o setor externo não vai ser capaz de fornecer tanto apoio como nos últimos anos", avalia a OCDE.

A OCDE menciona ainda os riscos relacionados às reformas previstas pelo governo.

"O impulso mais forte nas reformas estruturais é um potencial risco ascendente para as projeções, uma vez que isso poderia aumentar a demanda interna por meio de uma combinação de spreads (diferença entre o que os bancos pagam na captação de recursos e o que eles cobram ao conceder um empréstimo) mais baixos, menor valorização do real e taxas de juros mais baixas", assinala o relatório.

"Riscos também podem vir do setor corporativo, no qual a recessão prolongada se reflete no aumento da inadimplência das empresas face a níveis de endividamento elevados, o que podem, por sua vez, enfraquecer algumas parte do setor financeiro. Embora tenham diminuído, os riscos políticos permanecem em relação à implementação final da nova regra fiscal".

"Armadilha de crescimento baixo"

Já o PIB mundial vai subir 2,9% e 3,3% em 2016 e em 2017, respectivamente, segundo a OCDE. Para 2018, a previsão é de alta de 3,6%.

Neste ano, o país com o pior desempenho do G20 depois do Brasil será a Argentina, cujo PIB deve cair 1,7%.

Já na outra ponta está a Índia (7,4%), que lidera o ranking, seguida por China (6,7%), Indonésia (5%) e Espanha (3,2%).

No que vem, de acordo com a organização, a Índia deve continuar na liderança (7,6%). Completam o topo da lista China (6,4%), Indonésia (5%) e Turquia (3,3%).

Para a economista-chefe da OCDE, Catherine Mann, o mundo permanece em uma "armadilha de crescimento baixo".

"Pelos últimos cinco anos, a economia global tem estado em uma armadilha de crescimento baixo, com o crescimento desapontadamente baixo e estagnado a 3% por ano", afirmou ela, em nota divulgada pela organização.

A saída passaria, diz Mann, por uma combinação de fatores, entre eles uma política fiscal mais expansionista (elevando os gastos públicos, por exemplo).

"Os formuladores de política devem examinar atentamente o espaço fiscal; juros baixos permitem a muitos países estimular a infraestrutura e outras iniciativas de crescimento. Evitar armadilhas de comércio, combinadas com medidas sociais para melhor distribuir os ganhos da globalização e da mudança tecnológica, são prioridades-chave", disse.

"Usar a janela de oportunidade criada pela política monetária e avançar nas medidas estruturais e fiscais podem aumentar as expectativas de crescimento e criar o ímpeto necessário para a economia global escapar da armadilha de crescimento baixo", finaliza.

A crise econômica no bolso: o que mudou na sua vida?

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos