Bolsas

Câmbio

Agência de classificação de risco reduz notas da JBS no Brasil e nos EUA

A agência de classificação de risco americana Moody's rebaixou as notas de crédito da JBS no Brasil e nos Estados Unidos e anunciou possíveis novas reduções nos próximos dias.

"O rebaixamento reflete o aumento dos riscos relacionados a potenciais litígios futuros, governança da empresa e liquidez", diz relatório da agência publicado na manhã desta segunda-feira.

"Esses riscos, além da elevada alavancagem financeira da JBS S.A., justificavam um rebaixamento imediato em um nível", afirma o texto.

As notas foram reduzidas em um grau no Brasil e nos Estados Unidos. Segundo o relatório, a avaliação da JBS SA caiu de Ba3 para Ba2, enquanto a da JBS USA (subsidiária americana da empresa) passou de Ba2 para Ba1.

Segundo a Moody's, as notas das empresas dos irmãos Batista seguem em processo de revisão e poderão ser rebaixadas novamente, dependendo de novas "informações sobre quaisquer investigações criminais em andamento, incluindo possíveis multas, executivos envolvidos, outros possíveis passivos e ramificações".

Acordo de delação premiada

A agência justifica o rebaixamento como consequência da confirmação do acordo de delação premiada firmado pela JBS com a Procuradoria-Geral da República.

A divulgação de detalhes do acordo desencadeou a maior crise política enfrentada pelo presidente Michel Temer desde sua posse, no ano passado, após o impeachment de Dilma Rousseff.

A redução das notas é mais um obstáculo para o processo de oferta de ações que a empresa prepara para o segundo semestre nos Estados Unidos.

Com 65 frigoríficos espalhados em território americano, a companhia já é líder nas vendas de carne bovina, ovina e de frango no país e pretende expandir ainda mais sua atuação com a subsidiária JBS Foods International.

Novos rebaixamentos

Ainda de acordo com a agência, eventuais novos rebaixamentos levarão em consideração a possibilidade de redução da liquidez da JBS como consequência dos efeitos políticos e econômicos do acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República.

"No momento, a liquidez da JBS é adequada", aponta o relatório.

A Moody's destaca que sete executivos da empresa e sua controladora, a J&F Investimentos, tiveram seu acordo de delação premiada ratificado pelo Supremo Tribunal Federal.

O acordo, ainda segundo a agência de classificação de risco, prevê pagamento de multa de R$ 225 milhões pelos sete executivos, além de cooperação com as investigações.

Irmãos Batista se envolveram em cinco casos de corrupção em um ano

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos