Ideia dos Brics 'perdura', mas Brasil e Rússia foram 'grandes decepções', diz criador dos Brics

Luis Barrucho

  • Shutterstock

Há 16 anos, o britânico Jim O'Neill, então executivo do banco de investimentos Goldman Sachs, cunhou um termo que se consolidaria como um novo verbete no dicionário de economistas ao redor do mundo: Bric, o grupo formado por Brasil, Rússia, Índia e China (mais tarde, Brics, com a adesão da África do Sul).

A menção à sigla constava de um estudo no qual O'Neill assinalava a importância cada vez maior desses países, sobretudo, da China, para o crescimento da economia mundial.

No entanto, os últimos anos não foram muito prósperos para os Brics, levando muito especialistas a colocar em xeque o futuro do bloco. De um lado, Brasil e Rússia desapontaram e têm registrado crescimento bem abaixo da média mundial. De outro, ainda que continue alto, o desempenho da própria China arrefeceu.

Em entrevista à BBC Brasil, O'Neill reconhece os desafios que os Brics enfrentam, mas se mantém otimista quanto ao futuro do grupo. "A ideia dos Brics perdura, mas Brasil e Rússia foram grandes decepções", diz ele.

Questionado se, como investidor, aplicaria dinheiro no Brasil, O'Neill desconversa: "Parei de trabalhar em período integral no setor financeiro há mais de quatro anos e meio. Então, não penso tanto nisso quanto pensava no passado. Mas acredito ser perigoso, especialmente em relação ao Brasil, supor que tudo continuará igual".

"O forte apetite dos investidores por ativos brasileiros sugere que o Brasil está mais parte do fim do que do começo de seus tempos particularmente problemáticos", acrescenta.

Neste domingo, o presidente Michel Temer participa do 1º dia da cúpula dos Brics, realizada neste ano em Xiamen, no sudeste da China.

Confira a seguir os principais trechos da entrevista.

BBC Brasil: Faz 16 anos que o Sr. cunhou o termo BRIC (mais tarde, BRICS), dizendo que esses países se tornariam as economias de maior crescimento do mundo em 2050. Mas esse cenário pode não se materializar. Por quê?

O'Neill: Isso não é verdade. Pelo contrário, por causa da imensa importância da China, e também de seu desempenho, é bem provável que o tamanho total dos Brics seja maior do que o do G7 (grupo das economias mais ricas do mundo) por volta de 2035 ou 2037, dentro das nossas previsões. Se você olhar para trás, isso só seria possível por causa do provável tamanho futuro da China. E não houve mudança. Hoje, a economia da China é maior do que as economias de Brasil, Índia e Rússia somadas, e já quase representa o dobro delas.

Sabemos que o crescimento do PIB indiano nos últimos dois anos foi maior do que o do chinês, e que o país deve crescer mais do que a China no restante da década. Mas até o fim deste ano, a China deverá criar o equivalente a uma nova Índia. Nem a Índia nem a China vêm decepcionando. Não podemos dizer o mesmo do Brasil e da Rússia. Os dois países foram grandes decepções nesta década.

Os problemas econômicos de cada um são diferentes e estão atrelados a várias razões, mas se há um problema comum, é a chamada doença holandesa. Brasil e Rússia são muito dependentes do preço das commodities (matérias-primas). Quando esses preços caem fortemente, esses países sofrem. Foi justamente o que aconteceu na última década. Ambos precisam diversificar e reduzir o papel das commodities nas suas economias.

BBC Brasil: Falando do Brasil, o país vem decepcionando investidores ao redor do mundo. De "queridinho" dos mercados financeiros, o Brasil tem tido dificuldades para sair da pior crise em sua história recente. Em resumo, o que deu errado com o Brasil?

O'Neill: Isso não é verdade. Nos últimos 12 meses, o mercado brasileiro tem estado entre os mais fortes no mundo. O real se fortaleceu. Vejo que os investidores percebem o valor do Brasil e consideram que sua longa e profunda recessão está chegando ao fim. Espero que isso possa se tornar realidade, e o Brasil possa voltar a um caminho de crescimento sustentável, um caminho que seja mais forte do que o anterior. O país precisa estimular o investimento privado, especialmente fora da indústria de commodity.

BBC Brasil: O Sr. trabalhou para um banco de investimento durante muitos anos. O Sr. apostaria no Brasil agora?

O'Neill: Parei de trabalhar em período integral no setor financeiro há mais de quatro anos e meio. Então, não penso tanto nisso quanto pensava no passado. Mas acredito ser perigoso, especialmente em relação ao Brasil, supor que tudo continuará igual. O forte apetite dos investidores por ativos brasileiros sugere que o Brasil está mais parte do fim do que do começo de seus tempos particularmente problemáticos.

BBC Brasil: Como o Sr. vê a importância dos Brics atualmente?

O'Neill: Claramente, a ideia dos Brics perdura; não é à toa que seus líderes políticos se encontram todos os anos. Na verdade, neste ano, os chineses estão mostrando um interesse surpreendente na ideia dos Brics. Vários jornalistas chineses me contataram sobre a cúpula.

BBC Brasil: Mas alguns especialistas apontam para o fim dos Brics uma vez que, na opinião deles, o grupo tem mais diferenças do que semelhanças. Esta visão seria correta?

O'Neill: Acho essa visão ridícula, para ser honesto. O que é justo dizer é que, nesta década, tanto Rússia e Brasil decepcionaram.

BBC Brasil: O Sr. mencionou a importância da China na economia mundial. A China não poderia acabar ofuscando os demais países que compõem os Brics, criando um desafio para o grupo?

O'Neill: É correta a análise de que a China pode acabar ofuscando os outros Brics. Mas isso é algo do qual a China está muito consciente e tentará evitar ser muito dominante. Gostaria de ver os líderes dos Brics fazerem algo mais tangível, como um financiamento conjunto para pesquisa de TB, para demonstrar sua efetividade.

BBC Brasil: Em quais outros países o senhor apostaria no futuro? O Sr. acredita que os Mint (grupo formado por México, Indonésia, Nigéria e Turquia) poderiam substituir os Brics?

O'Neill: Acho que é praticamente impossível que os Mint possam substituir os Brics, embora fique empolgado com os Mint. Nenhum dos Mint vai ter uma economia parecida à da Índia ou, sobretudo, da China, no futuro. E, claro, eles podem coexistir. Todos, com exceção da Nigéria, são emergentes do G20 (grupo das 20 economias mais ricas do mundo).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos