A rede social chinesa que já vale mais do que o Facebook - e por que você não a conhece

O valor de mercado da maior empresa de rede social da China, a Tencent Holdings, superou o do Facebook, que hoje possui mais de 2 bilhões de usuários ativos. É a primeira vez na história que uma companhia asiática vale mais do que US$ 500 bilhões.

A empresa é proprietária do WeChat, um aplicativo que agrega a possibilidade de pagamentos online e a troca de mensagens instantâneas e que se tornou extremamente popular na China nos últimos anos. No Brasil, a ferramenta é relativamente desconhecida. Além do aplicativo, a Tencent Holdings também possui franquias de jogos online, como os sucessos mundiais League of Legends e Honour of Kings.

O executivo Ma Huateng já é mais rico do que os fundadores do Google, os americanos Larry Page e Sergey Bin, de acordo com a Forbes. A revista avaliou a fortuna do chinês em US$ 48,3 bilhões nesta terça-feira, o que faz dele o nono homem mais rico do mundo.

A avaliação de Ma Huateng no ranking da Forbes subiu depois do anúncio de que ele levaria os serviços de pagamento do WeChat para a Malásia no próximo ano.

A empresa também tem participação na Snap, a companhia por trás do Snapchat, no aplicativo de carona Lyft e na fabricante de carros elétricos Tesla.

Espera-se ainda que a Tencent Holdings leve o jogo Honour of Kings para os Estados Unidos. O jogo permite que os jogadores paguem para aprimorar as roupas dos personagens. Críticos na China acusam o jogo de ser viciante.

Resistências ao aplicativo fora da China

Tencent Holdings se junta agora a um grupo de companhias americanas das quais você provavelmente já ouviu falar: Apple, Amazon e Microsoft.

Aproximadamente um bilhão de pessoas - ou metade da população chinesa - utilizam todos os meses o app WeChat, ou "wei shin" como ele chamado na China. O que começou como uma plataforma de mensagens, agora permite que você pague suas compras, chame um táxi, invista, peça comida... e a lista de possibilidade do aplicativo continua.

Tencent espera exportar esse fenômeno chinês. A Malásia é a primeira da fila de espera pelo sistema de pagamento.

Mas tem se mostrado difícil para a Companhia fazer com que as pessoas de fora da China adotem o WeChat. De acordo com o analista Robin Brant, correspondente de política da BBC em Shangai, o problema não está só no hábito das populações de outros países que já tem aplicativos de preferência.

Parte da resistência decorre do fato de que a empresa concordou há muito tempo a censurar conteúdo na China - e no exterior - seguindo as determinações do governo chinês.

Também há preocupações sobre segurança, porque, ao contrário de outros apps de troca de mensagens, as comunicações no WeChat não são criptografadas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos