ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Eleições 2018: Desejo de 'melhorar de vida' que elegeu Lula move eleitor de Bolsonaro, diz governador aliado a Haddad

Mariana Schreiber - @marischreiber - Da BBC News Brasil em Brasília

10/10/2018 06h30

Reeleito governador do Maranhão com 59% dos votos neste domingo, Flávio Dino (PCdoB) é "totalmente contra" que seu aliado, o candidato a presidente pelo PT, Fernando Haddad, escreva uma carta aos brasileiros nos moldes da que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez em 2002.

O documento, em que Lula assumiu compromissos na condução da economia - como, por exemplo, o equilíbrio das contas públicas -, costuma ser apontado como fundamental para a primeira vitória petista, ao reduzir as resistências ao líder sindical. Para Dino, no entanto, "ninguém leu" a carta e Lula venceu porque era, naquele momento, "um sinal de expectativa de melhoria de vida".

Na sua visão, esse mesmo sentimento é a principal explicação para Jair Bolsonaro (PSL) ter obtido 46% dos votos válidos no primeiro turno presidencial, ficando bem à frente de Haddad, que registrou 29%. Os dois disputarão o segundo turno dia 28.

Dino reconhece que os brasileiros de menor renda viram suas condições de vida piorar a partir do governo Dilma Rousseff (PT). Parte deles, diz, acabou "seduzida" pela proposta bolsonarista de armar a população contra os criminosos.

"É óbvio que uma coisa não tem nada a ver com a outra: arma não gera emprego, arma gera homicídio. Mas é o (discurso) que está aí nos segmentos populares, sobretudo no Sul e Sudeste. Acabaram aderindo ao Bolsonaro, na expectativa de melhorar sua vida", analisa.

Para o governador, cujo partido está coligado ao PT e apontou Manuela d'Ávila para vice na chapa, Haddad deveria buscar aproximação com outros líderes políticos, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e os candidatos derrotados Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede). Ele não acredita, porém, que isso será determinante para uma vitória.

O foco, defende, dever ser recuperar os votos do "povão" no embate de propostas econômicas.

"Sobretudo mostrar que, em termos da economia, ou seja, do emprego, do trabalho, da renda, Bolsonaro é um (presidente Michel) Temer piorado. Esse é o centro do debate", resume.

Já sobre a cobrança de parte da sociedade para que o PT faça uma autocrítica sobre a corrupção nos governos Lula e Dilma, Dino diz que para ele é "suficiente" o fato de Haddad não ter sido envolvido "em nada de ilegal".

O ex-prefeito de São Paulo foi denunciado em agosto pelo Ministério Público a partir da delação de Ricardo Pessoa, ex-presidente da UTC, que diz ter repassado R$ 2,6 milhões para pagamento de dívidas da campanha. Haddad nega e diz que a acusação foi uma retaliação a sua decisão de suspender uma obra da UTC com indícios de superfaturamento logo no início de sua gestão como prefeito.

Leia, a seguir, trechos da entrevista.

BBC News Brasil - Bolsonaro e candidatos apoiados por ele tiveram vitória expressiva no primeiro turno. O que explica esse resultado?

Flávio Dino - Foi claramente um voto antipolítica. A maioria do eleitorado resolveu punir os atores que foram identificados como os responsáveis pela corrupção, pela perda de direitos. Terminou o serviço que a Lava Jato já vinha fazendo de desorganização do sistema político.

E, dentro do sistema político mais organizado, (a eleição) preservou apenas algumas parcelas que foram identificadas como capazes de gerar bons resultados para a população. Por exemplo, nossa vitória no Maranhão, o pessoal na Bahia, no Ceará (nos dois Estados governadores do PT foram reeleitos).

O Renanzinho (filho de Renan Calheiros, reeleito governador pelo PMDB) em Alagoas, o Renato Casagrande (eleito governador pelo PSB) no Espírito Santo.

São políticos de partidos institucionalizados, mas que foram preservados pelo cálculo de que, apesar de pertencerem à institucionalidade, teriam aptidão de gerar resultados positivos em termos de serviços públicos.

Acho que esse é o sentido principal, claramente um voto antissistema, antipolítica, contra tudo e contra todos.

BBC News Brasil - A operação Lava Jato, então, foi determinante?

Dino - Todo o processo que atende por esse nome de Lava Jato, que é um fenômeno bem amplo, sem dúvida foi um vetor bem expressivo para que esse resultado fosse caracterizado, na medida em que consolidou, ao longo desses anos, a ideia de que o sistema político estava apodrecido e seria necessário destruí-lo para surgir algo de novo.

Além das decisões judiciais em si mesmo, foi importante, sobretudo, o discurso vinculado insistentemente por esses personagens que lideram a Lava Jato. Nesse sentido, Bolsonaro é filho de Deltan Dallagnol (coordenador da força-tarefa da Lava Jato).

BBC News Brasil - As denúncias de corrupção pesam muito sobre o PT. Seria importante uma autocrítica?

Dino - Nós da esquerda, há décadas, sempre dissemos que autocrítica você faz na prática.

Autocrítica não é um momento mágico que você senta na praça com um chicote e se autoflagela. Acho que a candidatura do Haddad, considerando que ele próprio nunca foi envolvido em nada de ilegal, já é suficiente para mim.

Acho que aqueles que cobram essa tal autocrítica é mais no sentido de destruir essa possível vitória do Haddad do que propriamente contribuir para a vitória.

BBC News Brasil - Haddad larga de um patamar de votos bem atrás de Bolsonaro. O que deve ser feito para conquistar eleitores para além dos simpatizantes do PT e da esquerda?

Dino - Sobretudo mostrar que a agenda econômica do Bolsonaro é igual à agenda do Temer. Mostrar que, em termos da economia, ou seja, do emprego, do trabalho, da renda, Bolsonaro é um Temer piorado. Esse é o centro do debate.

As declarações do general Mourão sobre (acabar com) 13º salário (depois repreendidas por Bolsonaro), as declarações do próprio Bolsonaro, do Paulo Guedes (guru econômico do candidato), todas, de modo convergente, vão nessa direção de perdas de direito, privatizações e perda da soberania nacional.

Se a gente conseguir mostrar que o programa do Bolsonaro é profundamente antipatriótico, antinacional, contra o povo mais pobre, a gente ganha a eleição.

BBC News Brasil - Não deveria haver também um aceno de compromisso com o equilíbrio fiscal?

Dino - Eu sou totalmente contra a ideia de uma nova carta aos brasileiros.

Na verdade, uma parte da elite brasileira de todo jeito virá com Haddad. Mas não é essa a questão central, a questão central é a imensa maioria da sociedade, é o povo, que foi seduzido pelo discurso da pistola como um fator de progresso social.

É óbvio que uma coisa não tem nada a ver com a outra: arma não gera emprego, arma gera homicídio. Mas é o que está aí nos segmentos populares, sobretudo no Sul e Sudeste. Acabaram aderindo ao Bolsonaro, na expectativa de melhorar sua vida.

BBC News Brasil - Se lá em 2002 Lula fez a carta ao povo brasileiro e teve um governo com responsabilidade fiscal, por que Haddad não poderia fazer isso agora? Ele está 16 pontos atrás do Bolsonaro, não justificaria um movimento desse tipo?

Dino - Pode ser feito, mas não é isso que vai resolver o problema.

Eu estou raciocinando sempre com um objetivo: nós temos segundo turno, e quem decide eleição são os mais pobres, esse é o centro da disputa, fazer com que a esquerda volte a ser um sinal de expectativa de melhoria de vida, como o Lula era em 2002.

O Lula não ganhou por conta da carta que, aliás, ninguém nunca leu.

Ali era como se fosse um anestésico administrado na elite para dizer: "olha, vocês vão perder a eleição, mas não vai doer tanto assim como vocês estão achando".

Imagina se dona Maria, lá na Baixada Fluminense, em Nova Iguaçu, votou por causa da carta ao povo brasileiro.

BBC News Brasil - Fernando Henrique já rejeitou Bolsonaro, mas não declarou apoio a Haddad. Ele deveria procurar o ex-presidente, se esforçar para de fato para ampliar as alianças?

Dino - Eu acho que sim, eu faria isso. Porém, não acho que seja isso que resolva o problema (de aumentar os votos).

O núcleo do problema é que a base popular que levou Lula e Dilma a quatro vitórias cindiu, e uma parte expressiva foi para Bolsonaro. E você ainda tem um contingente enorme de nulos, brancos e abstenções que são as pessoas que são tão antipolítica que acham que nem o Bolsonaro expressa o que elas imaginam.

A questão principal que alimentou essa destruição do sistema institucional foi sem dúvida nenhuma a degradação do nível de vida do povo, mais do que a Lava Jato.

A Lava Jato é um fator importante, mas, sobretudo, a perda de qualidade de vida da população. Então, você recuperar esses setores sociais é o esforço principal, o que não invalida outros esforços, como dialogar com igrejas, com lideranças políticas amplas como Alckmin, Fernando Henrique.

BBC News Brasil - Por que parte do eleitorado que era fiel ao PT migrou para o Bolsonaro?

Dino - Esses segmentos enxergaram em um certo momento da vida brasileira, sobretudo no segundo governo do Lula, a perspectiva objetiva de melhorar de vida. No primeiro governo da Dilma começaram a ver isso com mais dificuldade, mas ainda se manteve. E, sobretudo no último período do primeiro mandato da Dilma e no começo do segundo mandato, viram isso ser destruído e foram para o total desespero.

Esses segmentos perderam emprego, plano de saúde, acesso à educação. Na ausência de horizontes, foram seduzidos nessa questão da segurança pública. A pessoa está desesperada, ele oferece uma coisa simples de ser entendida: eu vou dar uma arma para todo mundo, pelo menos os bandidos não vão mandar no país.

Bolsonaro conseguiu responder ao desespero popular pela questão econômica colocando uma outra coisa no lugar. O desafio nosso é responder a esse desespero com discurso claro, objetivo, compreensível sobre as questões econômicas, e mostrar que o programa econômico do Bolsonaro vai resultar em ainda mais tragédia social no Brasil.

BBC News Brasil - Muitos acham que Haddad deveria visitar menos o Lula para afastar as críticas de que seria "tutelado por um presidiário".

Dino - Não vejo isso, até porque o Lula é o maior líder popular do Brasil. Se Lula fosse candidato, ele teria vencido no primeiro turno.

BBC News Brasil - Há dois anos, no processo de impeachment, o senhor disse que o PT havia perdido a "energia vital" para liderar sozinho a recomposição da esquerda. Foi uma erro a esquerda não ter se unido em torno de Ciro Gomes (candidato do PDT)?

Dino - Nesse momento, seria um exercício inútil (essa reflexão), seria quase um academicismo meu dizer que isso teria dado mais certo ou aquilo.

O diagnóstico continua atual. Para o Haddad vencer a eleição, é decisivo que agregue outros segmentos para poder ter energia vital e ganhar do Bolsonaro.

BBC News Brasil - Segmentos para além da esquerda?

Dino - Se possível sim, temos que buscar isso. Eu, no lugar do Haddad, procuraria o Alckmin, a Marina. O arranjo político ajuda, quanto mais amplo, melhor.

BBC News Brasil - Numa eventual vitória do Haddad, como você vê a governabilidade num Congresso tão fragmentado e com uma bancada enorme do PSL (partido de Bolsonaro)?

Dino - O Haddad é o único que pode garantir uma governabilidade, porque ele está incluído no sistema político. O quadro com Bolsonaro é de uma absoluta instabilidade institucional, a ponto de haver dúvida se ele poderia viajar ao exterior e deixar o país na mão do vice (general Mourão), porque corre o risco de o vice achar que Bolsonaro não deve voltar.

BBC News Brasil - Mas essa bancada grande de parlamentares conservadores ligada ao Bolsonaro não indica que Haddad teria um caminho bem difícil?

Dino - Realmente, caminho fácil não há. Com Bolsonaro, menos ainda, porque é o cenário hobbesiano, de guerra de todos contra todos, em que o inusitado, o esdrúxulo se torna cotidiano. E isso vemos na campanha: o vice disse que o neto dele é bonito porque está deixando de ser negro.

BBC News Brasil - E numa eventual vitória de Bolsonaro, como a esquerda deveria atuar?

Dino - Oposição dentro do sistema democrático, de ideias, no Parlamento. Nós da esquerda jamais devemos defender qualquer tipo de ruptura da legalidade. Oposição nos termos da lei.

BBC News Brasil - Temos visto um acirramento dos ânimos no país. No domingo, uma capoeirista em Salvador foi morto a facadas por um simpatizante do Bolsonaro após declarar voto no PT. Como vê o crescimento da violência política?

Dino - Isso não é o predominante no eleitorado do Bolsonaro. Eu sei porque eu topo com eles no meio da rua.

O predominante são pessoas querendo melhorar de vida. A imensa maioria são do povo, pessoas comuns, normais, que não são violentas e querem melhorar de vida.

Agora, você deve ter, dos 46% de eleitores do Bolsonaro, uma parte que realmente pratica a violência e que está fazendo isso. É realmente muito grave. É preciso iluminar esses casos para realmente isolar esses elementos, porque isso pode levar a um efeito multiplicador, talvez até incontrolável.

É preciso que o sistema de Justiça, que tem sido tão duro nessa questão, supostamente, da corrupção, que seja igualmente duro contra esses casos de violência. Até aqui não tenho visto isso. O sistema de Justiça tem sido leniente, tolerante, negligente com esses casos de violência, e isso é um grave erro.

Reeleito governador do Maranhão com 59% dos votos neste domingo, Flávio Dino (PCdoB) é \"totalmente contra\" que seu aliado, o candidato a presidente pelo PT, Fernando Haddad, escreva uma carta aos brasileiros nos moldes da que ","image":"","date":"10/10/2018 16h48","kicker":"BBC"}}' cp-area='{"xs-sm":"49.88px","md-lg":"33.88px"}' config-name="economia/economia">

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia