IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Como a quebra de uma companhia aérea ameaça a economia da Islândia

Getty Images
Imagem: Getty Images

24/06/2019 09h06Atualizada em 24/06/2019 16h19

A falência da companhia aérea islandesa de baixo custo Wow Air, em março, foi um duro golpe para a Islândia. Três meses depois de a empresa quebrar, o país ainda teme pela saúde de sua economia, que, até 2018, somava oito anos de crescimento.

"Estamos preparados para a possibilidade de uma recessão mais profunda e os números de turistas chegando parecem indicar que isso pode acontecer", disse, na semana passada, o presidente do Banco Central da Islândia, Mar Gudmundsson, à agência de notícias Bloomberg.

Ele acredita que a queda do turismo a níveis similares ao registrado em 2016 pode ter um efeito significativo em muitas cidades do país. "Com sorte, sairemos disso no princípio do próximo ano", declarou Gudmundsson.

De acordo com um relatório do Comitê de Política Monetária do Banco Central islandês publicado no final de maio, a falência da Wow Air representa o desaparecimento de um em cada três assentos nos voos para a ilha neste ano.

A companhia oferecia voos para a capital Reykjavik a partir da Europa, Ásia e América do Norte. Com a falência da empresa, o Banco Central islandês foi forçado a refazer suas previsões de crescimento da economia. Ao invés do crescimento de 1,8% do Produto Interno Bruto estimados em fevereiro, a previsão agora é de contração do PIB em 0,4%.

Mas por que uma única empresa é capaz de derrubar a economia de um país?

A Islândia é uma ilha onde vivem 330 mil pessoas e foi quem mais sofreu com a crise financeira de 2008.

Na década passada, o setor bancário islandês havia crescido acima de sua capacidade e foi um dos primeiros a quebrar depois da queda do Lehman Brothers --banco de investimentos dos EUA que, diante da inadimplência de créditos imobiliários, entrou em concordata em 2008 e inaugurou a crise financeira que se espalhou sobre a economia em todo o mundo.

A Islândia conseguiu se recuperar, em especial, graças ao turismo.

Com a coroa islandesa desvalorizada em quase 70% e com o surgimento de empresas aéreas que ofereciam voos econômicos, a ilha começou a atrair cada vez mais visitantes. A Wow Air começou a operar em 2012 e, seis anos depois, transportava 3,5 milhões de passageiros por ano.

Além dos voos de baixo custo, a possibilidade de ver a aurora boreal bem como locações da série Game of Thrones fizeram a Islândia o destino turístico da moda --a ponto de o turismo se transformar num dos principais setores do país, segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Relatório publicado pela OCDE em 2018 indica que o turismo representou 8,3% do Produto Interno Bruto (PIB) e 14% da força de trabalho da Islândia 2016, superando em muito a combinação de duas das indústrias mais fortes do país: a pesca e o alumínio.

Uma expansão muito rápida

Em um ano, a Islândia chegou a receber 2,5 milhões de visitantes, número sete vezes maior que a população do país. Ao menos até o ano passado, quando a indústria começou a sofrer pela delicada situação da Wow Air.

A companha não conseguiu sustentar o próprio crescimento meteórico nem as contas equilibradas. Em 2018, teve que combinar a busca por compradores com a redução de destinos e aeronaves e, no início deste ano, já havia cortado sua frota pela metade.

Diante da relevância da indústria turística para a Islândia, a crise da Wow Air começou a gerar desconfiança na economia do país. Em novembro de 2018, a coroa islandesa valia 13% menos que três meses antes, uma queda que o Banco Central do país atribuiu às "crescentes dificuldades operacionais da Wow Air".

No mesmo mês, o Banco Central previu que as exportações do setor de serviços aumentariam em 4% em 2019. No entanto, as estimativas neste ano indicam uma retração de 9% no setor de serviços e uma queda de 10,5% no número de turistas, ainda que empresas aéreas como a Icelandair tenha tentado absorver a parcela do mercado que a Wow Air deixou de atender.

No final de março, depois que as últimas negociações na busca por novos acionistas fracassaram, milhares de passageiros receberam a notícia que a Wow Air encerraria as atividades e os voos da empresa seriam cancelados.

Desde então, 1.500 funcionários da Wow Air perderam o emprego, o que a imprensa islandesa chamou de "maior demissão em massa" da história do país. Soma-se a isso o fim de empregos indiretos, como as 315 demissões realizadas no Aeroporto Internacional de Reykjavík.

Otimismo

No entanto, o chefe do Banco Central da Islândia se diz otimista em relação ao futuro do país. "Nunca como agora estivemos tão bem preparados na nossa história para lidar com uma situação adversa", disse Mar Gudmundsson.

Ele espera que o número de visitantes aumente outra vez em 2020, ainda que mais lentamente. Mas, no relatório do banco de maio de 2019, não se chegou a descartar "a possibilidade de uma contração mais profunda e de uma recuperação mais lenta".

Veja como é feita a lavagem externa de um A380 da Emirates

UOL Notícias

Mais Economia