IPCA
0,1 Out.2019
Topo

A economia dos EUA nunca esteve tão bem, como diz Trump?

Reality Check

BBC News

07/10/2019 09h41

O presidente americano, Donald Trump, tem repetido que a economia do país vive um ciclo de crescimento possivelmente entre os melhores já registrados.

A máxima foi tema inclusive de seu discurso na 74ª sessão da Assembleia Geral da ONU neste mês de setembro, em que ele afirmou que suas "políticas pró-crescimento" vêm ajudando os americanos a encontrar emprego e incrementar o salário.

O serviço de checagens da BBC, o Reality Check, comparou os dados citados pelo presidente com as estatísticas oficiais.

Veja o resultado a seguir.

O que os números mostram?

A taxa de crescimento anualizada do Produto Interno Bruto (PIB), que engloba tudo o que o país gera de riqueza, tem crescido nos Estados Unidos.

No primeiro trimestre de 2019, a alta foi de 3,1%, percentual que desacelerou, entretanto, para 2,1% nos três meses de abril a junho - e significativamente menor que o pico recente de 5,5% registrado no segundo trimestre de 2014, durante o mandato do antecessor de Trump, Barack Obama.

A série histórica também mostra resultados superiores nas décadas de 1950 e 1960.

"Se você tomar o PIB como indicador da saúde da economia, as afirmações de Trump perdem força quando olhamos para o boom da economia americana nos anos pós-Segunda Guerra", pondera Megan Black, professora-assistente de História na London School of Economics.

A Bolsa dispara... depois oscila

Trump também tem ressaltado a geração de valor no mercado financeiro americano, em particular o índice Dow Jones, que acompanha a cotação das ações das 30 maiores empresas do país, o Dow Jones Industrial Average.

É verdade que o índice atingiu níveis recordes na atual administração. Para os apoiadores do presidente, os dados são resultado do corte de impostos para empresas anunciado pela equipe de Trump, além de medidas para redução da burocracia e de incentivo para produção dentro do país.

Nos últimos meses, entretanto, o índice mostrou grande volatilidade, refletindo preocupações do mercado em relação à guerra comercial com a China e a piora das expectativas para a economia global.

Empregos e salários

O discurso de Trump nas Nações Unidas também destacou que o desemprego nos Estados Unidos se encontra no menor patamar em meio século e que, nos últimos três anos, 6 milhões de americanos conseguiram se recolocar no mercado de trabalho.

Em agosto, a taxa de desemprego chegou a 3,7%, o mesmo nível registrado 50 anos atrás, em setembro de 1969. Na medição de setembro, houve nova queda e o desemprego chegou a 3,5% - igualando a baixa histórica do indicador em meio século (registrada em novembro e dezembro de 1969).

Em relação ao emprego, é verdade que mais de 6 milhões de americanos conseguiram emprego nos três anos entre agosto de 2016 e agosto de 2019.

Na ONU, Trump disse ainda que "no mês passado, o desemprego entre afroamericanos, hispânicos e asiáticos-americanos atingiu os menores níveis já registrados".

A informação também procede. De 1972 para cá, o desemprego entre afroamericanos atingiu o patamar mais baixo no último mês de agosto, 5,5%.

A série histórica oficial com dados sobre trabalhadores hispânicos, por sua vez, começa em 1973 - nesse caso, o menor percentual também é o de agosto de 2019, 4,2%.

Para os asiáticos-americanos, só há informações disponíveis a partir de 2003. Nessa população, a taxa atingiu 2,8% em agosto - percentual ligeiramente superior ao apurado em junho deste ano, 2,1%.

Em todos os três grupos, o nível de desemprego vem cedendo desde os anos do governo Obama, depois de alcançar máximas recordes durante a recessão em 2009.

No entanto, em relação a salário e renda, também mencionados pelo presidente durante o discurso, os dados não sustentam a tese de que estejam crescendo de forma consistente.

O avanço da remuneração média por hora avançou durante todo o ano de 2018, chegou a 3,4% em fevereiro deste ano, mas tem desacelerado desde então e se encontra em 3,23%.

Descontando a inflação, a renda cresceu em termos reais 1,5% nos 12 meses até agosto, de acordo com as estatísticas oficiais.

A renda domiciliar também tem avançado em ritmo menor nos últimos anos.

Em 2018, o rendimento médio domiciliar foi de US$ 63.179 por ano, estatisticamente semelhante ao registrado no ano anterior - o primeiro período de estabilidade após três anos de crescimento.

Economia