PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Coronavírus: fim do isolamento social não impede recessão econômica, diz estudo

Ministério da Saúde orientou isolamento social, mas presidente lançou campanha para o Brasil "voltar à normalidade" - Getty Images
Ministério da Saúde orientou isolamento social, mas presidente lançou campanha para o Brasil "voltar à normalidade" Imagem: Getty Images

Daniel Buarque - De São Paulo para a BBC News Brasil

27/03/2020 17h51

A pandemia de coronavírus e a preocupação com os impactos de políticas de confinamento na economia global têm levado políticos e acadêmicos a questionar a relação entre custos humanos e financeiros da covid-19, a doença causada pelo coronavírus.

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e dos Estados Unidos, Donald Trump, recentemente defenderam o fim do isolamento generalizado das populações e a retomada da "vida normal" para evitar uma crise maior.

Foram criticados por médicos e acadêmicos, que dizem que este posicionamento significa acreditar que evitar uma recessão é mais importante do que prevenir mortes.

No meio de debates éticos e filosóficos, a pergunta "quanto custa salvar uma vida?" começa a ser pensada de forma séria por estudiosos. E a resposta pode ser cerca de US$ 2 milhões, segundo a avaliação de três economistas sobre os impactos da pandemia e do confinamento na economia dos Estados Unidos.

Em artigo publicado no início desta semana, Martin S. Eichenbaum e Sergio Rebelo, da Universidade Northwestern, nos EUA, e Mathias Trabandt, da Free University de Berlim, na Alemanha, cruzaram modelos de epidemiologia com contextos econômicos para medir os possíveis impactos humanos e financeiros do coronavírus.

Eles dizem que o cenário ideal de confinamento de fato pode aumentar o impacto da recessão econômica, mas tem o potencial de evitar a morte de cerca de 500 mil pessoas nos Estados Unidos.

De acordo com suas conclusões, as pessoas já reduzem naturalmente seu consumo e trabalho por conta do impacto da epidemia em suas vidas. Isso significa que já haveria recessão econômica independentemente de políticas de isolamento social.

O confinamento intensificaria esse movimento ao reduzir ainda mais o consumo e as horas de trabalho. Essas políticas, porém, "aumentam o bem-estar ao reduzir o número de mortes causadas pela epidemia", diz o artigo.

Queda sustentável da doença

Para os pesquisadores, o ideal é introduzir medidas de confinamento em massa para resultar em uma queda brusca e sustentável do impacto da doença.

"A política ótima é a procura pelo equilíbrio entre custos e benefícios, mas é possível dizer que em todos os cenários é ótimo introduzir confinamentos", afirma Rebelo, um dos autores do estudo, à BBC News Brasil.

O estudo mostra que, sem confinamento, a pandemia causaria queda de 2% no consumo dos americanos. "No longo prazo, a redução permanente da população e no PIB real seria de 0,65% refletindo a mortalidade da epidemia", diz o pesquisador português, que vive nos EUA.

No cenário com as medidas restritivas, a queda no consumo poderia chegar a 9,1%, mas a redução da atividade econômica levaria a uma proporção menor de pessoas infectadas em momentos de pico (5,1% em vez de 8,4%), e o número total de mortes cairia de 2,2 milhões para 1,7 milhão.

O declínio na economia passaria de US$ 800 bilhões no cenário sem confinamento para US$ 1,8 trilhão com isolamento social imposto pelo governo, uma diferença de US$ 1 trilhão por 500 mil vidas. É a partir desse dado que eles calculam o custo para salvar vidas, chegando ao número de US$ 2 milhões por pessoa salva.

O valor é bem mais baixo dos que os US$ 9,5 milhões usados como padrão por agências dos Estados Unidos, como a de proteção ambiental, ao calcular o padrão de custo por vida salva ao determinar políticas públicas do setor.

Olhando além da epidemia

Além disso, a queda no número de horas trabalhadas, no longo prazo, seria menor no cenário em que as vidas são salvas (de 0,65% para 0,53%), já que o declínio populacional também é reduzido.

Segundo ele, as políticas de confinamento são fundamentais agora. O foco atual, diz, é evitar a propagação da doença, enquanto se aprende sobre ela com levantamento de dados sobre a imunização da sociedade a fim de superar a pandemia.

No plano mais imediato, a melhor forma de evitar que a crise econômica tenha um impacto ainda maior na vida das pessoas é promover políticas de transferência de renda e de apoio à população e às empresas.

O estudo não inclui nenhuma avaliação específica sobre o caso do Brasil, mas Rebelo diz que o país se encaixa bem em um dos cenários apresentados no artigo, o de número 4.

De acordo com o modelo citado por ele, o pico de infectados pode chegar a aproximadamente 5% da população, mas cairia para menos de 2% com uma política de confinamento.

De forma semelhante, o número de mortes no modelo poderia chegar em poucas semanas a 0,5% da população, e poderia ser reduzido quase pela metade no curto prazo com políticas de confinamento.

"O Brasil tem um sistema de saúde que tem pouca resiliência. Essa é mais uma razão pela qual o confinamento é uma política prudente. O confinamento reduz o pico de infecções e dá ao governo uma oportunidade de se preparar. Se o governo não estiver preparado, vamos entrar em uma situação de completo caos", afirma.

Leia abaixo a entrevista com o pesquisador:

BBC News Brasil - Desde o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro [na terça, dia 24], há no Brasil um debate sobre um contraste entre o salvamento de vidas e a proteção da economia. Seu trabalho indica que vai haver impactos econômicos mesmo sem a imposição de uma política de confinamento.

Sergio Rebelo - Sim. Em parte por causa da reação das pessoas e do setor privado. O que este trabalho traz e que pesquisas de epidemiologia não têm é que o setor privado em si já passa por alteração com a epidemia. Mesmo sem confinamento, as pessoas vão muito menos às compras, menos pessoas vão a restaurantes. Antes de os restaurantes serem fechados, já havia uma queda de mais de 50% no número de frequentadores.

As pessoas já fazem um tipo de quarentena voluntária, já se isolam por que estão gerindo seus próprios riscos, mas não gerem o risco agregado, pois não levam em consideração a externalidade, um aspecto em que é preciso tomar medidas adicionais. Mas a recessão é inevitável.

Você tem uma situação em que as pessoas não querem consumir certos produtos, ir a restaurantes, ao teatro, viajar. São indústrias que empregam muita gente. O que vai acontecer é que, sem o consumidor, as empresas vão ter que demitir os empregados e isso vai criar uma recessão de qualquer maneira.

BBC News Brasil - A diferença do confinamento forçado é diminuir o contágio e o número de mortos, então? Como afeta a economia?

Rebelo - A política ideal nos cenários que estamos estudando em geral foca em aumentar o confinamento ainda mais, indo além do que o setor privado fazia por si mesmo, para reduzir o número de mortos. Isso é especialmente importante em um sistema onde há limites para a capacidade hospitalar.

BBC News Brasil - E como se deve lidar com isso no longo prazo?

Rebelo - A informação é essencial. Fazer um levantamento aleatório para poder saber melhor como está o terreno, e como está a evolução da epidemia. Isso é muito importante. É fundamental saber como estamos na dinâmica da população para poder tomar decisões tão importantes.

BBC News Brasil - Esse foi o modelo seguido na Coreia do Sul.

Rebelo - Sim. No artigo, usamos os dados da Coreia do Sul, pois quando se fala sobre taxa de mortalidade, elas parecem muito altas, mas a verdade é que não sabemos quantas pessoas foram infectadas, pois não houve testes suficientes. A Coreia do Sul teve uma política muito apropriada, em parte porque eles tiveram uma experiência traumática com o Sars. Eles testaram muita gente e têm os melhores dados que temos neste momento para entender a epidemia. Isso permitiu que a Coreia do Sul passasse para um sistema de confinamento inteligente.

Se conseguíssemos um teste rápido que permitisse saber quem está imune à doença, podemos criar um passaporte para que as pessoas imunes não tenham restrições a sua mobilidade. Assim poderíamos reduzir o tamanho da recessão sem voltar o número de infectados e de mortos.

BBC News Brasil - Como a sociedade deve avaliar os custos e benefícios entre a economia e a saúde da população?

Rebelo - A política ideal é a procura pelo equilíbrio entre custos e benefícios, mas é possível dizer que em todos os cenários é bom criar confinamentos. Não há um único cenário que tenhamos estudado e que não seja a melhor postura fazer confinamento por parte do governo para evitar a externalidade das pessoas que estão infectadas e devem ter a circulação impedida.

BBC News Brasil - O governo brasileiro tem alegado que os problemas econômicos por conta do confinamento vão ter impactos mais duros para a população do que a epidemia. Acha que isso precisa ser considerado?

Rebelo - Isso é um ponto importante para falar sobre a capacidade da administração pública, do governo. Um país onde a coisa é muito preocupante é a Índia, um país onde há muito pouca capacidade e o governo não consegue transferir renda para as pessoas. As pessoas vão perder emprego, e vão ter dificuldades de sobreviver. Então a situação é muito difícil.

A solução mais simples seria o governo fazer transferências para as pessoas e para as empresas que têm custos fixos e que precisam sobreviver também. É importante manter a saúde das pessoas durante a crise, mas também a saúde das empresas, para que quando o vírus for embora, nós tenhamos uma economia que ainda funcione.

Estamos começando a pensar ativamente nas políticas fiscais que os governos podem adotar para reduzir o estresse financeiro das pessoas e das empresas. Isso depende muito da capacidade do governo. Apesar de tudo, comparado com a Índia, o Brasil tem muito mais capacidade de implementar transferências, pois tem o Bolsa Família e outros programas que podem tornar possível fazer com que as pessoas não passem fome e que não haja uma tragédia humanitária de outra forma.

BBC New Brasil - O caminho então é o governo ajudar, e não apenas liberar a atividade normal das pessoas nas ruas em meio à pandemia?

Rebelo - Sim. O ideal é isso. Evitar a circulação é importante enquanto se busca informação, se busca testar para saber o impacto da doença e quantas pessoas já estão imunizadas. Até lá, o governo precisa ajudar as pessoas que estão perdendo o emprego, as pessoas que não podem trabalhar de casa.

BBC News Brasil - Os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos se posicionaram contra as políticas de isolamento social pelo coronavírus e apontam que os problemas econômicos podem ser maiores do que os de saúde. O que acha dessa posição de Trump e de Bolsonaro?

Rebelo - Estamos falando de decisões muito grandes, que têm consequência para a vida de muitas pessoas. O que é preciso nessa altura é ter melhor informação. Aqui nos Estados Unidos, nós precisamos de um levantamento aleatório para que as pessoas sejam testadas e possamos perceber melhor quantas pessoas estão infectadas. Seria muito importante saber quantas pessoas já adquiriram imunidade.

Essas epidemias podem acabar de várias maneiras. Uma é o tratamento, que faça com que o vírus deixe de causar a morte; outra é uma vacina, que significa que as pessoas não pegam mais o vírus; às vezes os vírus passam por mutações, e eles podem se tornar mais letais ? como aconteceu em 1918 ?, mas ele também pode mudar e se tornar um vírus mais benigno.

Mas se essas coisas não acontecerem, a maneira pela qual a epidemia chega ao fim é criar o que se chama em inglês de "herd immunity" (imunidade de rebanho) que significa que um número suficiente de pessoas cria imunidade, o que impede que o vírus se torne uma nova epidemia. E nós não temos ideia de onde estamos nesse processo, dado que não há tratamento, não houve mutação do vírus e não há vacinas.

Precisamos saber se há um número suficiente de pessoas que adquiriram imunidade. Se não houver como eliminar essas prospecções, podemos ter um novo pico de infecções, que podem ter consequências muito graves.

Na epidemia de 1918 (a gripe espanhola) houve três ondas, e a maior parte das pessoas morreu na segunda onda, que veio depois que as pessoas deixaram de lado a quarentena. É preciso informação. São decisões muito grandes. E a informação mais importante neste momento é saber quantas pessoas foram expostas ao vírus, quantas foram infectadas e quantas adquiriram imunidade.

BBC News Brasil - Enquanto não se tem um dado assim, como um governo pode tomar uma decisão? Atualmente, nem Trump nem Bolsonaro têm dados muito claros sobre isso.

Rebelo - A decisão deveria ser tomada apenas depois de termos os dados. É preciso fazer um levantamento aleatório da população para obter esse tipo de informação a fim de tomar uma decisão informada. É uma decisão muito grande para as pessoas arriscarem sem saber exatamente o que está acontecendo.

Se soubermos o estado das pessoas, podemos evoluir para um "contingencimento inteligente", no qual umas pessoas que já têm imunidade ao vírus podem voltar a trabalhar. Podemos começar a fazer as coisas mais específicas. Nesse momento, as medidas de confinamento estão sendo simples e grosseiras. Assim que tivermos mais dados e tivermos testado as pessoas, podemos evoluir para um confinamento que faça mais sentido, e que permita que muitas pessoas voltem a trabalhar.

É possível que haja muita gente jovem que tenha sido exposta ao vírus e que nem sabemos, já que 80% das pessoas são assintomáticas. Então é possível que haja boas notícias e que muita gente que já tenha sido exposta tenha adquirido imunidade. Mas sem sabermos, vamos ter um risco grande.

BBC News Brasil - O estudo publicado nesta semana mostra que, nos Estados Unidos, o confinamento poderia evitar a morte de 500 mil pessoas. Acha que um cálculo semelhante poderia ser pensado no caso do Brasil?

Rebelo - Imagino que sim. Calculamos isso com base numa população de 330 milhões de pessoas, então podemos indicar que no Brasil o número de mortes seria aproximadamente dois terços das mortes registradas nos Estados Unidos.

No Brasil, diria que o cenário 4 dos que desenvolvemos no estudo se encaixa melhor, pois o Brasil tem um sistema de saúde que tem pouca resiliência. Essa é mais uma razão pela qual o confinamento é uma política prudente.

O confinamento reduz o pico de infecções e dá ao governo uma oportunidade de se preparar. Se o governo não estiver preparado, vamos entrar em uma situação de completo caos. Por isso é importante fazer quarentenas e construir hospitais temporários. Se tivermos confinamento por mais algumas semanas, podemos ter tempo de preparar as coisas para que depois não sejamos pegos desprevenidos.

O Brasil tem uma capacidade um pouco limitada do sistema de saúde. Quando há um pico, as pessoas ficam desesperadas e isso pode criar situações muito difíceis.

BBC News Brasil - O jornal americano The New York Times cita seu artigo em uma reportagem cujo título é "Podemos colocar um preço em uma vida?". O cálculo indica que cada vida salva custaria US$ 2 milhões de dólares nos Estados Unidos. Pode falar um pouco sobre este cálculo?

Rebelo - Em um trabalho como este, é preciso fazer algumas hipóteses. Um dos aspectos que é muito importante é como calibrar o valor de uma vida.

Em princípio, usamos os números do departamento de transporte dos Estados Unidos e da agência de proteção ambiental americana, que tomam decisões calculando o valor de uma vida em cerca de US$ 9 milhões ao analisar custos e benefícios. Usamos este número para fazer análises.

Para essa reportagem, calculamos qual seria o aumento da perda da atividade econômica e da recessão por vida salva. Portanto, em média, quando se introduz o confinamento, a recessão aumenta. Daí a entender qual é o custo dessa recessão em dólar, e dado esse montante, quanto custou cada vida salva. E este foi o número. No caso do Brasil, seria preciso adaptar os dados de perdas econômicas e vidas salvas. O Brasil precisa avaliar bem suas decisões, pois o aumento do número de mortos pode ser brutal, se o país não estiver preparado.

BBC News Brasil - Em entrevista ao jornal New York Times, seu colega e coautor Martin Eichenbaum disse que faz sentido os governos preferirem a recessão à morte de cidadãos. Pode falar um pouco sobre isso?

Rebelo - O que o modelo faz, de uma maneira um tanto fria, já que são números, é procurar uma solução de comprometimento. Nesse modelo, quando não há vacinas nem há tratamentos, a pessoa que está à frente da política tem uma decisão difícil a tomar. Isso porque a única maneira de acabar com a epidemia é pela imunidade de rebanho, mas para fazer isso é preciso expor as pessoas ao vírus. O custo de fazer essa exposição ao vírus é que algumas pessoas vão morrer. Então mortes são inevitáveis.

A questão é como fazer isso da forma mais inteligente possível. É preciso aumentar a restrição à mobilidade ao longo do tempo, à medida que a epidemia vai aumentando, e depois quando se chega ao pico, as restrições devem ser mantidas, mas podem ser atenuadas aos poucos.

Essa é a política ótima, que consegue o melhor resultado e os objetivos em competição. Por um lado, é preciso que haja um número suficiente de pessoas que tenham adquirido imunidade. Por outro lado, é preciso evitar que haja muita gente infectada ao mesmo tempo, como está acontecendo na Itália, criando um caos nos hospitais, infecção de pessoal médico, uma tragédia.