Opinião: Problema com bancos está contido, por enquanto

Mohamed A. El-Erian

(Bloomberg View) -- Três classes de ativos -- energia, títulos corporativos de rendimentos altos e moedas de mercados emergentes -- se desequilibraram no ano passado com a instabilidade anormal dos preços dos ativos.

Agora, o segmento bancário parece bastante perto de seguir o mesmo caminho. Se isso acontecer -- por sorte, esse ainda é um grande "se" no momento --, as consequências para a economia real e os mercados financeiros globais seriam muito maiores.

Uma classe de ativos desequilibrada é aquela que perde a maior parte de suas ancoragens fundamentais, fazendo com que qualquer pequeno fragmento de notícia provoque movimentos desproporcionais nos preços dos ativos.

Quanto mais essa situação persiste, maior o dano para uma base de investidores cada vez menor, o que leva a uma volatilidade ainda maior.

No processo, até mesmo os nomes mais fortes dentro da classe de ativos são contaminados, o que aumenta o risco de rodadas adicionais de refluxos e deslocamentos.

Foi o que aconteceu no ano passado com o setor de energia (e particularmente o de petróleo), com os títulos especulativos emitidos por empresas classificadas abaixo do grau de investimento e com os mercados internacionais de câmbio no mundo emergente.

Cada classe passou por aumentos e contágios de preço de arregalar os olhos. E nenhuma delas recuperou o equilíbrio.

Atualmente, o setor bancário está atravessando uma volatilidade de preço incomum, tanto para cima quanto para baixo.

Essas oscilações têm ocorrido em torno de uma tendência de declínio de vários dias, com três fatores que se retroalimentam e exercem alguma influência:

  • As taxas de juros mais baixas, inclusive negativas na Europa e no Japão, e o achatamento das curvas de rendimento estão reduzindo a capacidade dos bancos para gerar lucros estáveis com sua função básica de intermediação financeira.
  • O crescimento econômico insistentemente baixo e um nítido declínio nos preços das commodities estão pressionando a qualidade de crédito das carteiras de empréstimos dos bancos.
  • Os lembretes periódicos dos órgãos reguladores de que, após resgates extremamente polêmicos no passado, os investidores já não têm o apoio dos governos, o que está tornando os detentores de ações e títulos mais ansiosos e o capital deles, mais volúvel.

Esses três fatores são mais evidentes na Europa e as instituições bancárias do continente têm sido atingidas muito mais duramente.

Além disso, apesar do progresso conseguido por meio da insistência determinada do Banco Central Europeu, os bancos europeus ficaram para trás em relação a seus pares dos EUA em termos de reforço das reservas de capital, melhora dos ativos e convencimento dos mercados em relação à disposição para serem suficientemente transparentes na transmissão de informações.

Na semana passada, um punhado de bancos -- inclusive na França, na Alemanha e na Suíça -- viu os preços de suas ações caírem e atingirem os patamares mais baixos em várias décadas.

Isso forçou alguns executivos do setor bancário a tranquilizar os mercados em relação à força de suas instituições e exigiu que um representante do governo respaldasse essas garantias. E, pelo menos em um caso, uma instituição interveio para respaldar os preços dos títulos por meio de recompras.

Embora os bancos geralmente tenham uma ancoragem mais robusta que as outras três classes de ativos, o aumento da instabilidade deverá ser monitorado cuidadosamente nas próximas semanas (apesar de não estarmos nem perto do tipo de deslocamento bancário que paralisou a economia global em 2008-09).

Se o setor bancário perder o equilíbrio, o fluxo de recursos para empresas e famílias diminuirá e o financiamento do comércio internacional ficará mais caro e menos acessível.

Também se restringirá ainda mais o já limitado apetite das corretoras para alterar o estoque no balanço e comportar os investidores que buscam reposicionar seus portfólios.

O problema com os bancos, embora notável, tem sido contido até o momento.

Mas, se evoluir e se transformar em uma crise muito mais acentuada, poderá causar sérias consequências para uma economia global que já está perdendo força e para os mercados financeiros, que tiveram um início de ano ruim de forma geral.

A economia e os mercados globais não têm condições de arcar com esses riscos no momento.

Essa coluna não necessariamente reflete a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos