PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Cinco coisas que vão dar o que falar hoje

Lorcan Roche Kelly

03/03/2016 10h20

(Bloomberg) - Um índice de serviços do Reino Unido despencou, um pioneiro do fracking morreu e a recuperação das bolsas desapareceu. Eis alguns dos assuntos que vão dar o que falar nos mercados nesta manhã.

Serviços do Reino Unido

O Índice de Gerentes de Compras para serviços publicado nesta manhã pela Markit Economics caiu para 52,7 pontos, a leitura mais baixa desde março de 2013. A mediana das estimativas dos economistas consultados pela Bloomberg era de 55,1 pontos. Os números sugerem que o crescimento do Reino Unido poderia desacelerar neste trimestre, em meio à crescente incerteza em relação ao futuro do país na União Europeia porque dirigentes de pequenas empresas entraram no coro dos que pedem para abandonar a UE. O FTSE 100 Index do Reino Unido registrava uma alta de 0,4 por cento às 11h05 em Londres e os ganhos estavam sendo impulsionados pelas companhias mineradoras.

Aubrey McClendon morreu em acidente de carro

Aubrey McClendon, ex-presidente da Chesapeake Energy Corp., morreu ontem após bater o carro, apenas um dia depois de ter sido indiciado por acusações de manipular ofertas por aluguéis de petróleo e gás. Sua morte complicará a investigação do Departamento de Justiça dos EUA sobre McClendon e seus co-conspiradores. Colegas do setor de energia se lembram dele como um dos "primeiros inovadores" na área.

Crescimento da China

A fundamental reunião anual sobre política econômica da China começará neste fim de semana em meio a preocupações com o crescimento e alertas quanto a uma bolha imobiliária em expansão na economia. Apesar dessas preocupações, a China ainda é considerada uma prioridade importante para os investimentos por 60 por cento das empresas americanas. A economia mais afetada tanto pela desaceleração na China quanto pela campanha de repressão da corrupção é Macau, centro de apostas, que nesta manhã disse que sua produção econômica caiu 20,3 por cento em 2015.

Fim do rali das bolsas

Parece que o rali mais prolongado das bolsas europeias desde outubro está acabando. O Stoxx 600 Index recuava 0,2 por cento às 11h20, horário de Londres. Ontem à noite na Ásia, o MSCI Asia Pacific Index subiu 1,3 por cento e atingiu os níveis mais altos desde janeiro. Os futuros do S&P 500 não mudaram.

Cenas do próximo capítulo

Às 8h30, horário de Nova York, serão publicados os novos números de pedidos iniciais de subsídio por desemprego nos EUA. Os dados serão analisados com atenção antes da publicação dos "nonfarm payrolls" (folhas de pagamento de todas as empresas, exceto as agrícolas). Às 10 horas, horário de Nova York, serão publicadas as encomendas às fábricas e os pedidos de bens duráveis para janeiro. Projeta-se que as encomendas aumentem 2,1 por cento após o declínio de dezembro.