PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

BMW prevê seu futuro com veículos de direção autônoma

Elisabeth Behrmann

07/03/2016 15h08Atualizada em 07/03/2016 16h51

(Bloomberg) -- A BMW, que se tornou a maior fabricante de carros de luxo do mundo concentrando-se na sensação de prazer das rodovias alemãs, está avançando rumo à direção autônoma em um momento em que a urbanização e a mudança de atitude em relação aos carros estão redefinindo o transporte.

Os veículos de alto padrão do futuro compreenderão a "liberação dos motoristas por meio da automação", disse a empresa nesta segunda-feira em um comunicado emitido como parte da celebração de seu 100o aniversário. O lançamento de veículos capazes de trafegar de forma autônoma significa um reposicionamento da fabricante de veículos, mas a mudança também implica "uma grande oportunidade para revolucionar a mobilidade".

"A liderança na era digital será diferente", disse o CEO Harald Krüger no evento, em Munique. "O grupo BMW sempre foi capaz de se reinventar".

A BMW quer transformar o ato de dirigir em uma escolha para quando o motorista quiser sentir a emoção de estar no volante. Mas para o transporte mundano de A a B, a empresa prevê carros nos quais o volante e o console central se retraem, possibilitando que o motorista vire o rosto para o passageiro do banco da frente. Esse olhar para o futuro surge em um momento em que a fabricante de veículos com sede em Munique está balançando, perto de perder o primeiro lugar no mercado de carros de luxo pela primeira vez desde 2005.

Para-brisa interativo

Com um crescimento das vendas menor que o da número 2 Mercedes-Benz, a BMW está sendo pressionada a mostrar que ainda é capaz de inovar. Para isso, a empresa apresentou um carro-conceito chamado BMW Vision Next 100. O modelo inclui um para-brisa interativo que alerta para a presença de bicicletas, pedestres ou outros obstáculos, mesmo que ocultos para a visão humana.

O carro do futuro teria uma interação muito maior com o mundo exterior que os veículos de hoje, disse a BMW, mostrando um vídeo de como uma luz no painel poderia fazer o equivalente a acenar para que o pedestre avance e cruze a faixa piscando na cor verde. O conceito poderia se tornar realidade dentro de 20 a 30 anos, disse Krüger.

O carro conceito é um indício das prioridades do novo CEO. Ele, que tem 50 anos e disse que visa a permanecer à frente da Mercedes e da número 3 Audi, deverá apresentar uma revisão da estratégia da empresa em 16 de março. Transformar o carro em um hub pessoal será um elemento fundamental.

"A mobilidade do futuro conectará todas as áreas das vidas das pessoas", disse o executivo, que assumiu o cargo mais elevado da BMW em maio. "É aí que vemos novas oportunidades para a mobilidade de alto padrão".

Inteligência artificial

A BMW não é a única a lidar com as mudanças que os estilos de vida digital e urbano estão promovendo em relação ao que as pessoas esperam de um carro. O setor deverá experimentar um "tipo de concorrência muito maior" porque a inteligência artificial tornará possível que os veículos conversem entre si, trafeguem por conta própria e liberem o tempo de viagem ao trabalho das pessoas, disse na semana passada Dieter Zetsche, CEO da Daimler, empresa controladora da Mercedes. No ano passado, a Mercedes apresentou seu próprio conceito de carro de luxo do futuro na forma de um lounge de luxo rodante.

A última grande mudança estratégica da BMW se deu em 2007, quando o então CEO Norbert Reithofer levou a marca esportiva a investir bilhões para reduzir o consumo de combustível, produzir seu primeiro veículo elétrico e liderar a produção em massa de fibra de carbono. Líder mais jovem de uma grande fabricante de veículos, Krüger faz parte de uma mudança geracional que agora está buscando formas de responder a novos desafiantes, como Apple e Google, empresas que o CEO da BMW descreveu nesta segunda-feira como concorrentes.

"Em um futuro não muito distante a maioria dos veículos provavelmente será completamente autônoma -- as pessoas vão se locomover por aí em robôs sobre rodas", disse a BMW no comunicado. "Como justificaremos a existência de veículos da BMW, uma marca para a qual o indivíduo e o prazer de dirigir são o foco de tudo?".