PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Cinco coisas que vão dar o que falar hoje

Lorcan Roche Kelly

08/03/2016 11h26

(Bloomberg) - Os rendimentos dos títulos japoneses despencaram, a produção fabril alemã disparou e o Goldman disse que a recuperação das commodities é prematura. Eis alguns dos assuntos que vão dar o que falar nos mercados hoje.

Queda dos yields dos bonds japoneses

O yield do bond japonês com vencimento em 10 anos continua avançando para território negativo e caiu hoje para o patamar recorde de -0,12 por cento, o que significa que quase 75% dos bonds governamentais do Japão atualmente oferecem yields de zero por cento ou menos. De longe, a maior movimentação no trading ontem à noite foi a dos bonds japoneses com vencimento em 30 anos, cujo yield despencou 22 pontos-base e chegou à mínima recorde de 0,468 por cento. O yield dos bonds japoneses com vencimento em 40 anos agora está mais baixo que o dos bonds dos EUA com vencimento em 12 meses.

Produção fabril alemã

A produção fabril alemã subiu 3,3 por cento em janeiro, o maior avanço desde setembro de 2009, e superou todas as estimativas dos economistas em uma pesquisa da Bloomberg. Talvez seja um sinal de que a demanda doméstica da Alemanha está começando a sustentar a produção em um momento em que o comércio exterior esfria. O Eurostat confirmou nesta manhã sua leitura inicial de que o crescimento da zona do euro no quarto trimestre de 2015 foi de 0,3 por cento.

Commodities

Atenção, compradores. Essa foi a mensagem do Goldman Sachs Group para os investidores, porque o grupo projeta que a recuperação atual das commodities vai desaparecer à medida que os preços mais altos atraírem mais oferta para o mercado. O Goldman não é o único nessa linha de pensamento em relação ao minério de ferro, que subiu 19 por cento ontem. O Citigroup disse que continua pessimista porque os fundamentos da oferta e da demanda continuam fixados firmemente e a Axiom Capital Management disse que é provável que o aumento do preço tenha sido apenas "transitório".

Bolsas em queda

Nesta manhã, as ações europeias estão prolongando o declínio em relação ao auge em cinco semanas. O Stoxx 600 Index estava 1 por cento abaixo às 11h15, horário de Londres, e as mineradoras encabeçavam as perdas. Dados ruins do trading chinês poderiam estar contribuindo para o clima de aversão ao risco. Ontem à noite na Ásia, o MSCI Asia Pacific Index caiu 0,7 por cento e o Shanghai Composite Index conseguiu extrair um ganho de 0,14 por cento porque a especulação de compras feitas por fundos financiados pelo Estado reverteu as perdas anteriores. Os futuros dos EUA estão em baixa antes do início do trading.

Testemunho de Carney

O presidente do Banco da Inglaterra, Mark Carney, foi acusado de pôr em risco a credibilidade do banco central no debate sobre a União Europeia quando foi interrogado por membros do Parlamento do Reino Unido. Carney defendeu o discurso do banco em um relatório sobre o referendo e disse que o banco não faria nenhuma recomendação sobre o assunto. O banco disse ontem que ofereceria liquidez adicional aos bancos do Reino Unido em torno do período do plebiscito como uma medida de precaução.