PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Cinco coisas que vão dar o que falar hoje

Lorcan Roche Kelly

11/03/2016 10h54

(Bloomberg) - Os mercados europeus dispararam, a AIE diz que os preços do petróleo talvez tenham chegado ao piso e o yuan eliminou as perdas registradas em 2016. Eis alguns dos assuntos que vão dar o que falar nos mercados hoje.

Bolsas europeias em alta

O Stoxx Europe 600 Index registrava um avanço de 2,4 por cento às 10h45, horário de Londres. Os ganhos foram encabeçados pelos bancos da zona do euro, que tiveram uma recuperação de mais de 6 por cento no Euro Stoxx Banks (price) Index. O FTSE-MIB, da Itália, avançou 4,1 por cento e o Dax, da Alemanha, teve uma alta de 2,7 por cento. Os ganhos ocorrem em um momento em que os traders estão reavaliando as políticas anunciadas por Mario Draghi na reunião de ontem do BCE. Os mercados de bonds denominados em euros também se recuperaram e os diferenciais entre os títulos italianos e alemães com vencimento em 10 anos estão diminuindo. Nesta manhã, a Itália vendeu pela primeira vez bonds a três anos com um yield negativo.

Recuperação mundial

Os ganhos não se restringiram às bolsas europeias. O MSCI Asia Pacific Index avançou 0,7 por cento ontem à noite e os futuros do S&P 500 registravam uma alta de 1,1 por cento às 11h15, horário de Londres. No entanto, os títulos do Tesouro dos EUA não estão entrando nessa farra porque a demanda por sua relativa segurança diminui em meio ao rali. Os investidores também estão de olho na reunião do Federal Reserve, marcada para a semana que vem. O ouro também está em baixa.

AIE diz que petróleo pode ter chegado ao piso

Talvez os preços do petróleo tenham passado seu ponto mais baixo, porque a produção de alto custo está sendo fechada e a produção do Irã volta ao mercado mais lentamente do que se previa, disse a Agência Internacional de Energia nesta manhã. O Goldman Sachs Group também está ficando um pouco mais otimista em relação à commodity e definiu a meta de preço para o barril de petróleo entre US$ 25 e US$ 45 para o segundo trimestre de 2016. Os futuros do petróleo subiam 2,7 por cento, para US$ 38,85 por barril, na New York Mercantile Exchange às 11h20, horário de Londres.

Yuan elimina perdas de 2016

A moeda chinesa avançou e atingiu o pico desde dezembro depois que o banco central do país fez o maior aumento em quatro meses de sua taxa de referência diária. A decisão chega enquanto o Banco Popular da China termina de retificar a liquidez adicional que tinha injetado no sistema bancário durante o feriado do ano-novo lunar. Em sinal de que o país está tentando resolver o problema da inadimplência, o banco central e a principal agência de planejamento econômico do país estão esboçando conjuntamente regras que facilitarão que os credores convertam empréstimos bancários em participações acionárias nas empresas devedoras.

Crise no Brasil

A crise política no Brasil provocada pela ampla investigação de corrupção conhecida como Operação Lava Jato está se aproximando da presidente Dilma Rousseff. O governo corre o risco de perder um aliado no Congresso neste fim de semana, porque parece que o PMDB está pronto para declarar sua independência do governo durante sua convenção nacional amanhã. Isso significaria que seus parlamentares poderão votar como quiserem nos projetos de lei e, o que é de suma importância, no processo de impeachment. As bolsas brasileiras estão no patamar mais alto desde agosto porque aumenta a pressão sobre Dilma.