PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Febre automotiva da China provoca excesso de produção de diesel

Serene Cheong e Sharon Cho

28/03/2016 09h56

(Bloomberg) -- O amor da China por carros e a gasolina que eles usam está piorando o excesso de oferta de outro combustível condenado por refinarias de toda a Ásia, segundo o Bank of China International.

Enquanto as refinarias do maior mercado automotivo do mundo processam mais petróleo para saciar a demanda por combustível para motores, elas acabam produzindo também diesel, que está sendo menos usado por causa do encolhimento da atividade industrial chinesa, disse Xiao Fu, chefe de estratégia de mercados de commodities do banco, em entrevista. Em meio a essa "incompatibilidade de produto", o diesel excedente está sendo embarcado para o exterior, inundando os mercados regionais e afetando as margens de lucro, segundo Fu.

Diferentemente das inchadas indústrias chinesas do carvão e do aço, as refinarias até o momento foram poupadas do impulso do presidente Xi Jinping de cortar o excesso de capacidade industrial, com o processamento de petróleo atingindo um recorde no ano passado e a projeção de expansão da capacidade nos próximos anos. Este cenário é gerado pela demanda da gasolina devido à venda crescente de veículos que, segundo previsão da estatal Associação de Fabricantes de Automóveis da China, aumentará cerca de 6 por cento neste ano, mais rapidamente que o ritmo de 4,7 por cento de 2015.

"A demanda por gasolina na China está ficando muito forte, um resultado do fato de as pessoas estarem dirigindo carros diferentes, como se eu e você tivéssemos mais dinheiro e comprássemos carros melhores", disse Fu na quinta-feira em Cingapura. "Como a China tem sua infraestrutura preparada para produzir muito mais destilados como o diesel, quando produz mais gasolina o país acaba tendo que exportar mais destilados, que afetariam os mercados regionais ainda mais".

Demanda por gasolina

A demanda da China por gasolina provavelmente dará um salto de 6,8 por cento ao ano no período 2015-2021, com a frota de veículos do país expandindo-se quase 10 por cento ao ano, disse a Agência Internacional de Energia em um relatório no mês passado. Enquanto isso, o crescimento econômico mais lento em mais de duas décadas está desacelerando a atividade das fábricas e reduzindo o consumo doméstico de diesel. A produção industrial subiu 5,4 por cento nos dois primeiros meses de 2016 em relação a um ano antes, leitura mais fraca desde 2009.

O Instituto de Pesquisas Econômicas e de Tecnologia da China National Petroleum, maior empresa de energia do país, prevê que a capacidade anual de refino do país poderá se expandir em 16,4 por cento no período de cinco anos até 2020, com o diesel respondendo por até 90 por cento do excedente de combustível até lá.

Os estoques de diesel do país aumentaram em mais de 38 por cento em fevereiro em relação ao mês anterior, enquanto a oferta de gasolina encolheu cerca de 7 por cento, segundo a China Oil, Gas & Petrochemicals, uma publicação da agência oficial de notícias Xinhua. A demanda por diesel se manteve lenta em um momento em que a operação de plantas, projetos de infraestrutura e serviços de logística permaneceu mais baixa em meio ao feriado do ano-novo chinês e o uso de gasolina foi impulsionado pelo aumento das viagens durante o período, mostrou a publicação.

Refinarias independentes

Depois que a China exportou uma quantidade recorde de diesel, no ano passado, os lucros da fabricação de diesel na Ásia caíram para US$ 7,53 o barril no fim de janeiro, nível mais baixo desde 2010, pelo menos.

A demanda da China por petróleo aumentará em um momento em que as refinarias independentes do país compram mais do exterior depois que o governo flexibilizou as regras de importação para as processadoras, segundo Fu. Os embarques também serão incentivados pelo impulso do país para preencher as estratégicas reservas de petróleo do segundo maior consumidor de petróleo do mundo.

Um total de 23 refinarias independentes se candidatou às cotas de importação de petróleo até agora e 12 receberam autorizações anuais, com uma capacidade combinada de 51,39 milhões de toneladas. As taxas operacionais das refinarias agrupadas na província de Shandong, no leste do país, subiram mais no início deste ano e atingiram o nível mais elevado desde 2011, pelo menos, mostram dados do site dedicado ao setor Oilchem.net.

Título em inglês: China Car Fever Lifting Gasoline Seen as Root of Diesel Glut

Para entrar em contato com os repórteres: Serene Cheong em Cingapura, scheong20@bloomberg.net, Sharon Cho em Cingapura, ccho28@bloomberg.net, Para entrar em contato com os editores responsáveis: Telma Marotto tmarotto1@bloomberg.net, Patricia Xavier

©2016 Bloomberg L.P.