Bolsas

Câmbio

Mercado de títulos da China é abalado por calotes

Bloomberg News

(Bloomberg) -- O boom sem precedentes no mercado de títulos corporativos de US$ 3 trilhões da China está começando a terminar.

Assustados com uma nova onda de calotes de empresas estatais, investidores em títulos de empresas em yuan da China elevaram os yields em nove dos últimos 10 dias e provocaram a maior onda de vendas de dívida de grau especulativo desde 2014. Emissores locais cancelaram 61,9 bilhões yuans (US$ 9,6 bilhões) das vendas de títulos só em abril, e a Standard & Poor's está cortando sua avaliação das empresas chinesas em um ritmo não visto desde 2003.

Enquanto os rendimentos de títulos na China ainda estão bem abaixo das médias históricas, um aumento sustentado nos custos de empréstimos poderia ameaçar uma economia que é mais dependente de crédito barato do que nunca. Os números sugerem mais problemas pela frente: a capacidade das empresas listadas para pagar suas dívidas caiu para o menor nível desde pelo menos 1992, enquanto analistas estão fazendo os maiores cortes nas previsões de lucro para as empresas do índice Shanghai Composite desde a crise financeira global.

"A propagação dos riscos de crédito está apenas em sua fase inicial na China", disse Qiu Xinhong, um gerente de recursos no First State Cinda Fund Management, com sede em Shenzhen. "Muitas pessoas ficaram pessimistas".

Crescimento da dívida

Os líderes da China enfrentam um equilíbrio difícil. Por um lado, permitir que as empresas em dificuldades deem calotes força os gestores de recursos a prestar mais atenção ao risco de crédito e acelera os esforços do governo para conter excesso de capacidade. O perigo, porém, é que o pânico dos investidores leve a condições de crédito mais restritivas, representando um revés para o plano do presidente Xi Jinping de manter a economia crescendo em pelo menos 6,5 por cento durante os próximos cinco anos.

Os números econômicos de março revelam uma crescente dependência da dívida. O financiamento agregado da China - uma ampla medida de crédito que inclui títulos de empresas - quase duplicou em relação ao ano anterior, para 2,34 trilhões de yuans, ultrapassando todas as 24 previsões em uma pesquisa da Bloomberg já que os responsáveis pela política econômica abriram as torneiras para apoiar o crescimento econômico.

Ampliação de Diferenciais

A Baoding Tianwei Group, uma fabricante estatal de transformadores elétricos que deu seu primeiro calote há um ano, disse em 14 de abril que talvez não seja capaz de reembolsar o principal e juros sobre os títulos de cinco anos com vencimento este mês. A estatal China Railway Materials suspendeu sua negociação de títulos em 11 de abril, dizendo que está estudando "questões de reembolso" da dívida.

A reação foi rápida no mercado de títulos corporativos de 18,8 trilhões de yuans da China (um número que exclui certificados de depósito). O rendimento extra que os investidores exigem para manter títulos corporativos onshore de sete anos com melhores classificações em relação com as notas do governo de prazo semelhante saltou de 28 pontos, uma das maiores baixas em quase nove anos em janeiro, para 91 pontos base na segunda-feira. Pelo menos 64 empresas chinesas adiaram ou descartaram vendas de notas planejadas para este mês, seis vezes mais do que o mesmo período do ano anterior.

Fim do boom

Ainda assim, a história recente da China mostra que uma volta para o pior nos mercados pode ser difícil de controlar quando começa. As ações do país perderam mais de US$ 5 trilhões em valor no final do ano.

Uma reversão nos mercados de títulos da China provavelmente teria um impacto maior sobre a economia do que a queda das ações, por causa da dependência do país da dívida. As obrigações das empresas subiram para um recorde de 165 por cento do PIB no final do ano passado, mostram os números mais recentes da Bloomberg Intelligence.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos