Bolsas

Câmbio

YPF, da Argentina, volta a exportar petróleo após 2 anos, dizem fontes

Lucia Kassai e Pablo Gonzalez

(Bloomberg) -- A YPF deverá exportar petróleo bruto da Argentina pela primeira vez em dois anos no mês que vem, aproveitando um novo subsídio do governo.

Este foi o primeiro uso que a petroleira estatal fez de um incentivo anunciado no mês passado para impulsionar a exploração em meio aos baixos preços do petróleo. A YPF vendeu 200.000 barris de petróleo Escalante à PetroChina como parte de um carregamento conjunto combinado de 1 milhão de barris com a Pan American Energy, que forneceu os outros 800.000 barris, segundo três pessoas informadas sobre o assunto que pediram anonimato porque não estavam autorizadas a falar sobre a questão.

O embarque está programado para 10 a 20 de maio em Caleta Córdova, Argentina. A YPF, que tem sede em Buenos Aires, planeja exportar outro carregamento em junho e é provável que haja mais carregamentos no restante do ano, segundo uma das pessoas. Além disso, as refinarias argentinas estão comprando petróleo importado a preços menores que o estabelecido pelo governo para o petróleo doméstico.

"Com a fraca demanda por matéria-prima nas refinarias argentinas, o subsídio oferece uma forma para que as produtoras possam competir internacionalmente e dá apoio à indústria local", disse Mara Roberts, analista da BMI Research em Nova York, por e-mail.

No mês passado, o governo argentino anunciou que forneceria um subsídio de US$ 7,50 por barril sobre o petróleo exportado enquanto o preço do petróleo Brent, usado como referência internacional, estivesse abaixo de US$ 47,50. Os futuros do Brent para entrega em junho foram estabelecidos em US$ 45,74 o barril na terça-feira na ICE Futures Europe.

A YPF, maior empresa de refino do país, também possui petróleo extra disponível porque uma unidade de coque foi danificada em sua refinaria de La Plata, em 2013, limitando sua demanda por petróleo doméstico. A construção de uma nova unidade está em andamento e deverá ser concluída no final do ano. As exportações de petróleo Escalante provavelmente continuarão enquanto os testes da nova unidade não forem concluídos, em 2017, segundo uma pessoa familiarizada com o trabalho.

Os planos poderiam ser frustrados pela recuperação dos preços internacionais do petróleo, contudo, com a queda na produção global. Os futuros front month do Brent subiram 64 por cento em relação ao piso de US$ 27,88 registrado em janeiro.

"Como o subsídio exige que os preços de referência continuem abaixo de US$ 47,50, é improvável que as produtoras argentinas exportem quantidades significativas por muito mais tempo", disse Roberts.

A Argentina importou 2 milhões de barris de petróleo da Nigéria neste ano e poderá buscar a importação de outro carregamento até junho, segundo dados compilados pela Bloomberg.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos