Bolsas

Câmbio

Minério de ferro tem queda livre após expansão estoque na China

Jasmine Ng

(Bloomberg) -- O minério de ferro está em queda livre. Os preços despencaram depois que os estoques portuários na China se expandiram para o nível mais alto em mais de um ano após medidas das autoridades locais para debelar a especulação desenfreada no mercado de futuros de matérias-primas.

O minério de ferro com 62% de conteúdo entregue em Qingdao caiu 5,7%, para US$ 54,99 a tonelada, de acordo com a Metal Bulletin. Os preços caíram 22% desde o pico de mais de US$ 70 em 21 de abril e a queda de segunda-feira vem na sequência de uma perda de 12% na semana passada, a maior desde 2011.

O minério de ferro está voltando à Terra depois que uma onda de especulação sem precedentes na China ajudou a elevar os preços de referência ao nível mais alto em 15 meses.

O salto levou as autoridades regulatórias e as bolsas de valores a se unirem para conter os excessos, enquanto alguns bancos, como o Itaú Unibanco, alertaram que os aumentos dos preços não se justificavam em um mercado com excesso de oferta. Dados divulgados na sexta-feira mostraram que os estoques portuários haviam crescido para quase 100 milhões de toneladas.

"O recente aumento de preço ficou bastante acima dos níveis apoiados pelos fundamentos do mercado", disse Gerard Burg, economista sênior para a Ásia do National Australia Bank em Melbourne. "As ações vêm subindo de forma estável dada a recuperação das importações. Isto ressalta novamente que o mercado não está tão forte e que o aumento do preço foi excessivo".

Os estoques mantidos em portos da China aumentaram 1,4% na semana passada, para 99,85 milhões de toneladas, nível mais alto desde março de 2015, segundo dados da Shanghai Steelhome Information Technology. Os estoques, que abastecem a maior indústria de aço do mundo, subiram 7,3% neste ano.

Os carregamentos provenientes de Port Hedland, na Austrália, provavelmente aumentarão nos próximos meses com a aceleração da produção da mina Roy Hill, respaldada pela bilionária Gina Rinehart, disse o Goldman Sachs em nota recebida na segunda-feira.

A perspectiva de longo prazo para o minério de ferro é negativa porque a alta ajudou as mineradoras de custo mais elevado a ganharem uma maior resiliência diante do excesso de oferta, disse o banco.

No último mês, as bolsas da China, incluindo Dalian, aumentaram comissões, reduziram horários e ampliaram as margens dos futuros de matérias-primas para reduzir o fervor das negociações.

Embora a demanda pelo minério de ferro fosse vista como relativamente forte, ainda pode haver mais medidas no horizonte, segundo Daniel Hynes, estrategista sênior de commodities da Australia & New Zealand Banking Group em Sidney.

"A combinação de aumento dos estoques portuários na China e rumores de novos limites à negociação na bolsa de Dalian estão por trás dos movimentos de hoje", disse Hynes. "A demanda pelo minério de ferro é relativamente forte.

Continua havendo sinais de que a atividade de construção do mercado imobiliário chinês está melhorando e as produtoras de aço têm estoques baixos".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos