Bolsas

Câmbio

Emprego nos EUA não deve impulsionar moedas emergentes

Natasha Doff

(Bloomberg) -- Se a história servir de guia, não convém esperar uma alta prolongada das moedas dos mercados emergentes. Em três das últimas quatro vezes em que os números de empregos nos EUA ficaram abaixo das estimativas os ganhos cambiais foram perdidos em uma semana.

Um indicador de 20 taxas de câmbio subiu 1,4 por cento na sexta-feira, maior alta em 11 semanas, depois que os dados sobre o mercado de trabalho dos EUA vieram piores que as projeções mais baixas de uma pesquisa da Bloomberg. Analistas do UniCredit e do UBS Group projetaram que o ganho terá vida curta.

Dados piores que as expectativas para os empregos são uma vantagem e uma sobrecarga para os mercados emergentes, porque reduzem a probabilidade do Federal Reserve aumentar as taxas de juros e ao mesmo tempo sinalizam um crescimento mais lento da maior economia do mundo. As moedas dos países que contam com os EUA como seus maiores parceiros comerciais, como o México e a África do Sul, têm a maior probabilidade de recuo, segundo Kiran Kowshik, estrategista do UniCredit em Londres.

"Quando você olha para o México e para a África do Sul, você tende a ver os ganhos se reverterem muito rapidamente", disse Kowshik. "Já houve uma enorme alta nas moedas dos mercados emergentes, por isso já não se pode dizer que elas estão sobrevendidas".

O rand sul-africano registrava uma valorização de 0,4 por cento às 6h20 em Nova York, estendendo uma alta de 4,5 por cento nos dois dias anteriores, enquanto o peso mexicano pouco mudou após subir 0,5 por cento na sexta-feira.

Desempenho passado

Em 2015 as moedas dos mercados emergentes eliminaram os ganhos uma semana depois de empregadores adicionarem, em março, metade do total de empregos esperados na projeção mais baixa. Cinco dias depois dos dados mostrarem, em dezembro de 2013, que a geração de empregos era 26 por cento pior que a estimativa mais baixa, as moedas caíram 0,9 por cento, eclipsando a alta do dia em que o Departamento do Trabalho divulgou os dados.

O indicador de 20 moedas subiu 0,3 por cento na terça-feira após declaração da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, no dia anterior, de que espera elevar as taxas de juros gradualmente neste ano, sem especificar um cronograma. O índice subiu 2,2 por cento em três dias e está em alta de 4,2 por cento neste ano.

Os ganhos deste ano não serão duradouros porque o Fed indicou que o período de espera para o aumento dos juros terminou, enquanto o crescimento da China continua sendo uma preocupação, segundo Bhanu Baweja, chefe de estratégia de ativos cruzados de mercados emergentes do UBS em Londres.

Os traders de mercados futuros veem uma probabilidade de 42 por cento do Fed elevar os juros em setembro e 61 por cento de chances de aumento após a reunião de dezembro do banco central americano, segundo dados compilados pela Bloomberg.

"Não acreditamos que as moedas dos mercados emergentes tenham atingido um ponto de inflexão", disse Baweja em entrevista em vídeo postada no site do UBS nesta terça-feira.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos