Bolsas

Câmbio

Traders voltam a prestar atenção na fixação do yuan

Justina Lee

(Bloomberg) -- A fixação do yuan voltou a ser o centro das atenções porque a moeda está caindo para o patamar mais fraco desde outubro de 2014 frente a uma cesta de pares.

O banco central surpreendeu os traders nesta semana ao definir uma taxa de referência mais fraca que a esperada, o que contribuiu para que a moeda sofresse os maiores declínios em quatro meses na comparação com uma cesta de moedas ponderada pelo comércio que inclui o iene e o euro. A fixação se tornou mais previsível desde o início de fevereiro, depois que o Banco Popular da China (PBOC, na sigla em inglês) prometeu maior transparência e o yuan passou a acompanhar os movimentos do dólar frente às principais moedas.

A moeda chinesa caiu 0,2 por cento nesta quarta-feira frente a uma réplica da Bloomberg do CFETS RMB Index, o que levou a perda registrada em quatro dias a 1,1 por cento. Embora um indicador da força do dólar tenha caído 0,4 por cento durante a noite, o PBOC definiu uma fixação apenas 0,04 por cento mais forte.

Traders do mundo inteiro ficaram obcecados com a fixação em janeiro depois que um enfraquecimento repentino gerou temores de desvalorização e desencadeou uma turbulência nos mercados internacionais. Durante os três meses seguintes o banco central adotou um sistema mais baseado no mercado para estabelecer o câmbio de referência e disse que a cesta desempenharia um papel mais importante.

Dúvidas

"Se o yuan continuar se desvalorizando frente à cesta de moedas depois que o dólar se estabilizou talvez não seja boa coisa - isso nos faz pensar no que aconteceu em janeiro", disse Tommy Xie, economista da Oversea-Chinese Banking em Cingapura. As fixações desta semana "geram algumas dúvidas sobre se os números estavam um pouco incorretos".

O mecanismo de precificação do yuan está cada vez mais transparente e o câmbio frente a uma cesta de moedas pode variar entre apreciação e depreciação, disse Ma Jun, economista-chefe do departamento de pesquisa do PBOC, em comentários à Bloomberg News na terça-feira.

A fixação - em relação à qual o câmbio à vista pode divergir no máximo 2 por cento - é definida a partir do fechamento onshore do dia anterior, das movimentações noturnas de moedas importantes e também da oferta e da demanda do mercado.

No entanto, nesta semana os níveis foram mais fracos do que esse modelo sugeriria. A taxa de referência foi enfraquecida em 0,2 por cento na terça-feira, embora o Bloomberg Dollar Spot Index tenha permanecido estável durante a noite. A fixação foi fortalecida 0,45 por cento na segunda-feira, após o Commerzbank ter estimado que o câmbio ficaria 1 por cento mais forte por causa da queda sofrida pelo dólar na sexta-feira. A fixação variou 0,02 por cento em relação a um modelo da Bloomberg.

Título em inglês: Yuan Fixing Is Back in Focus as Declines Deepen Against

Para entrar em contato com o repórter: Justina Lee em Hong Kong, jlee1489@bloomberg.net, Para entrar em contato com os editores responsáveis: Telma Marotto tmarotto1@bloomberg.net, Patricia Xavier

©2016 Bloomberg L.P.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos