Bancos japoneses adotam cautela com crédito imobiliário

Tesun Oh e Katsuyo Kuwako

(Bloomberg) -- Os bancos japoneses estão reduzindo sua exposição ao mercado imobiliário devido ao temor de que a política de juros negativos do banco central possa estar gerando um superaquecimento.

O Tokyo Star Bank, cujo antecessor foi vendido ao Lone Star em 2001 depois de falir na sequência do estouro da bolha dos ativos do Japão, quer reduzir a duração média dos créditos imobiliários de seu portfólio, disse Michiya Fujii, chefe do departamento de financiamento imobiliário.

A Sumitomo Mitsui Trust Holdings, maior banco fiduciário de capital aberto, diz que os riscos negativos para os preços aumentaram. A Sumitomo Mitsui Financial Group, o segundo maior banco, disse no mês passado que "um superaquecimento do mercado imobiliário" é um dos riscos de crédito temidos pela empresa.

"Estamos avaliando o mercado cuidadosamente porque temos uma forte sensação de que o mercado está sendo inflado principalmente pelo excesso de crédito", disse Fujii, de Tóquio, em entrevista. Os preços das propriedades em Tóquio dificilmente subirão muito mais, disse ele.

O crédito para o setor imobiliário atingiu uma alta recorde em março, superando os níveis da bolha de ativos do Japão, no final dos anos 1980, segundo dados do Banco do Japão. Embora tenha dito em abril que o mercado "não mostra sinais de superaquecimento no todo", o BOJ, como o banco central é conhecido, está monitorando os efeitos dos juros negativos em um momento de aumento dos preços dos principais terrenos da área metropolitana.

O preço dos espaços de escritórios de alto padrão em Tóquio subiu 11% no primeiro trimestre em relação ao ano anterior, mostram dados da Daiwa Real Estate Appraisal, e os investidores estão segurando qualquer coisa, menos produtos de renda fixa.

Embora o rendimento médio esperado por propriedades de escritórios em Tóquio tenha caído para 3,7% no primeiro trimestre, seu nível mais baixo desde pelo menos meados de 2007, esse patamar ainda representa 82 vezes o rendimento de 0,045% que um investidor pode receber com a compra de dívidas soberanas de 20 anos. Os rendimentos de 10 anos caíram 10 pontos-base neste mês, para -0,22%.

"Considerando os riscos negativos, este não é o momento de emprestar agressivamente", disse Katsumi Taniguchi, chefe da equipe de planejamento do departamento de crédito imobiliário da principal unidade bancária da Sumitomo Mitsui Trust. "O importante, quando chegar o momento e o mercado virar, é quanta durabilidade incorporamos ao portfólio".

Taniguchi disse não prever uma queda do mercado para breve, mas afirma que está ficando mais difícil ler as condições e que estão chegando propriedades de qualidade inferior ao mercado.

O temor de que os bancos possam estar extrapolando nos créditos imobiliários surge em um momento em que os trusts de investimento imobiliário e as construtoras estão vendendo títulos com os vencimentos mais longos da história.

A Nippon Building Fund, maior trust de investimento imobiliário do Japão, vendeu dívidas de 30 anos neste mês com um cupom de 1%, enquanto a maior construtora, a Mitsubishi Estate, emitiu títulos de 40 anos a 0,789%.

 

--Com a colaboração de Finbarr Flynn 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos