Bolsas

Câmbio

Investidores em dívidas 'distressed' viram coletores de cupons

Jodi Xu Klein

(Bloomberg) -- A que ponto chegaram: alguns sofisticados investidores em dívidas 'distressed', abatidos por dois anos de quedas dos preços dos títulos de empresas problemáticas, voltaram a respeitar a banal seleção de cupons.

Gestoras de ativos como a Franklin Resources e a Trilogy Capital Management estão evitando os emissores de maior risco e preferindo empresas mais saudáveis e com rendimentos mais elevados.

A épica queda dos preços do petróleo, a desaceleração da China e a cisão entre Reino Unido e União Europeia derrubaram o índice de dívidas 'distressed' do Bank of America Merrill Lynch em mais de 40% em dois anos. A liquidez é um critério central agora que os compradores estão mais seletivos, segundo investidores e analistas especializados em empresas com problemas.

"Quanto mais dinheiro uma empresa possui, incluindo o acesso a linhas de crédito, melhor", disse Keith Luh, gerente do fundo mútuo de US$ 5 bilhões da Franklin Mutual Quest. "Pelo menos sabemos que ela tem dinheiro suficiente para financiar as operações, pagar os cupons e cumprir outras obrigações."

Até dois anos atrás a dívida 'distressed' dos EUA estava entre os melhores investimentos pós-crise, dando retorno de 305% do fim de 2008 até meados de 2014, segundo o índice 'distressed' do BofA. A dívida de alto rendimento dos EUA subiu 173% no mesmo período.

E então os preços do petróleo entraram em colapso a partir de meados de 2014, tirando liquidez do setor de energia. A decisão do Reino Unido, em referendo, de deixar a UE aumentou as incertezas.

A taxa de calote anualizada das dívidas especulativas dos EUA estava em 4,3% em 30 de junho, nível mais alto desde agosto de 2010, segundo a agência de risco Standard & Poor's, com calotes 'distressed' em 3,94% em 30 de abril.

Não é o que os investidores distressed vislumbravam de 2013 a 2015, quando captaram cerca de US$ 17 bilhões, segundo dados da Hedge Fund Research.

Evitando problemas

"Muitos investidores em títulos distressed não estão pesadamente envolvidos com o crédito de energia distressed no momento" após evitarem o setor ou deixá-lo no fim do ano passado, disse Jason Mudrick, cuja Mudrick Capital Management, de US$ 1,3 bilhão, é especializada em ativos com problemas. "Foi muito doloroso."

As perdas de capital ajudaram a lembrar os fundos da importância da coleta de juros, ou seleção de cupons, como a tarefa era conhecida quando os títulos em papéis vinham anexados com vouchers de pagamento individuais. Os gestores estão ficando mais exigentes porque os rendimentos estão em uma média próxima a 7 por cento no índice BofA Merrill Lynch U.S. High Yield, contra cerca de 18 por cento do índice distressed.

"Descer tanto no espectro das classificações nem sempre é tão atrativo no momento", disse Jody Lurie, analista de crédito da Janney Montgomery Scott. "Mais fundos estão focados em renda estável e pensando na facilidade com que podem vender a dívida."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos