Bolsas

Câmbio

Mercado amplia otimismo com Temer e cenário pós-Brexit

Josué Leonel

  • Nelson Antoine/Framephoto/Estadão Conteúdo

(Bloomberg) -- O mercado continua testando novas marcas, na esteira do otimismo com o governo do presidente interino, Michel Temer, em meio a um cenário de juros baixos no exterior.

O CDS brasileiro, que mede o risco embutido nos títulos de dívida do país, caiu abaixo dos 300 pontos, rumo ao menor nível de fechamento desde julho de 2015, enquanto a curva de juros aponta otimismo com a inflação no médio e longo prazo.

O dólar recua contra o real mesmo com o BC atuando na compra por meio de leilão de swaps reversos. Embora a maioria das moedas globais esteja bem devido ao menor receio de alta dos juros internacionais após o Reino Unido decidir deixar a União Europeia (UE), o real tem desempenho melhor do que a média. Isso sugere que o otimismo com o cenário doméstico também pesa nos negócios.

"O mercado está vendo uma mudança de 180 graus na agenda econômica", diz o economista Bruno Rovai, do Barclays em Nova York.

Os investidores aprovam os planos do novo governo de combater o rombo fiscal com cortes de gastos e reformas, além da promessa de acelerar as privatizações, em contraposição ao governo Dilma, visto como mais intervencionista e menos rigoroso em termos de combate à inflação e ao rombo nas contas públicas.

Rovai acredita que o mercado ainda terá mais uma "perna" de melhora caso o impeachment de Dilma seja aprovado definitivamente.

Juros altos

Gabriel Gersztein, estrategista de renda fixa para América Latina do BNP Paribas Brasil, destaca o efeito da mudança de cenário externo após a chamada "tempestade perfeita" de 2015.

Ele observa que há hoje US$ 10 trilhões em títulos rendendo juros negativos no exterior. Com a possibilidade de os bancos centrais dos países ricos injetarem ainda mais dinheiro nos mercados para evitar que a saída britânica da UE leve a uma recessão global, a tendência é de países com juros altos, como o Brasil, atraírem parte destes recursos.

No caso brasileiro, a mudança para melhor das expectativas com a economia favorece um "circulo virtuoso", diz Gersztein.

O Banco Central também teve peso na melhora recente do mercado. O discurso mais duro do novo presidente, Ilan Goldfajn, contra a inflação levou os investidores a adiar a aposta em corte da Selic, de agosto para outubro. Por outro lado, a curva de juros melhorou.

Os juros longos, mais relevantes para o crédito, caíram, mostrando confiança do mercado na queda da inflação a partir de 2017.

--Com a colaboração de Patricia Lara

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos