Rússia, Arábia Saudita se unem para estabilizar mercado petróleo

Ilya Arkhipov

(Bloomberg) -- A Arábia Saudita e a Rússia concordaram em trabalhar juntas para garantir a estabilidade do mercado de petróleo, embora os líderes dos dois maiores produtores de petróleo do mundo não tenham apresentado propostas detalhadas.

A estabilidade do mercado de petróleo é impossível sem a cooperação de sauditas e russos, disse o influente vice-príncipe herdeiro do reino, Mohammed bin Salman, após reunião com o presidente Vladimir Putin no domingo, em Hangzhou, na China. O príncipe Mohammed fez os comentários três dias após Putin afirmar que gostaria que a Opep e a Rússia fechassem um acordo para congelar a produção de petróleo com o objetivo de estabilizar o mercado.

"Nossos países são os dois maiores produtores de petróleo e é por isso que não pode haver uma política estável na esfera do petróleo sem a participação da Rússia e da Arábia Saudita", disse o príncipe Mohammed, filho do rei saudita. Putin disse que é importante que os dois países "mantenham um diálogo permanente".

O petróleo subiu cerca de 6 por cento desde que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo disse, em agosto, que realizaria negociações em Argel, no fim deste mês. Os países produtores vêm discutindo propostas para limitar a produção depois que o excedente reduziu os preços em mais da metade em relação ao pico de 2014.

Em 2014 a Opep adotou uma política liderada pelos sauditas que permitiu que seus membros elevassem a produção para protegerem sua participação de mercado contra produtores de custo mais elevado. A produção do grupo subiu para 33,69 milhões de barris por dia em agosto, um recorde, pouco menos de um terço da demanda global, mostrou uma pesquisa da Bloomberg na semana passada.

"O fato de a Rússia e a Arábia Saudita estarem conversando de forma construtiva sobre o congelamento da produção será otimista para o mercado, independentemente de eles realmente levarem isso adiante", disse Edward Bell, analista de commodities do banco Emirates NBD, de Dubai, no domingo, em entrevista por telefone, do emirado.

Isenção ao Irã

Putin disse à Bloomberg em entrevista na quinta-feira, que gostaria que a Rússia e a Opep chegassem a um acordo para congelar a produção de petróleo, eximindo o Irã até que o país consiga elevar sua produção aos níveis anteriores às sanções. O Irã vem ampliando a produção desde a redução das sanções, em janeiro. O presidente russo disse na semana passada que poderia recomendar a proposta de congelamento ao príncipe Mohammed na China.

O vice-príncipe herdeiro saudita e Putin não discutiram propostas sobre a produção de petróleo, segundo duas autoridades que estavam na reunião em Hangzhou. As discussões se centraram principalmente em segurança e na Síria, disseram as pessoas, que pediram anonimato porque as conversas foram privadas.

As negociações a respeito de uma proposta de sauditas e russos para congelar a produção terminaram sem acordo em abril depois que o Irã, o terceiro maior produtor do grupo, preferiu não participar da reunião e a Arábia Saudita, rival na região do Golfo, recusou qualquer acordo que não incluísse todos os membros da Opep. O Irã apoiará qualquer medida para recuperar os preços "desde que preserve seus interesses nacionais" de reconquistar participação de mercado, reportou a agência de notícia Mehr em declaração atribuída ao vice-ministro do Petróleo do Irã, Amir Hossein Zamaninia, no sábado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos