Bolsas

Câmbio

Frete barato muda mapa do petróleo com rotas rentáveis

Tracy Alloway e Javier Blas

(Bloomberg) -- Da Noruega às Bahamas, da Argélia à Austrália.

Os preços ultrabaixos do petróleo, combinados com os fretes marítimos baratos, estão encorajando a criação de uma série de novas rotas exóticas para o comércio de petróleo que não pareceriam estranhas em folhetos de turismo recentes.

Os exportadores de petróleo estão explorando novos mercados para tentar lidar com a oferta excedente que está dando nova forma à economia de mercado do petróleo e redesenhando rotas de navegação usadas há décadas.

Os EUA abriram caminho levantando a proibição às exportações de petróleo, mantida durante 40 anos, e exportando para Curaçao, França e Israel nos últimos meses.

Mas a tendência se estendeu além dos EUA. Países produtores de petróleo mais tradicionais estão fazendo experimentos com destinos cada vez mais incomuns em sua batalha para conseguir participação de mercado após o colapso do preço do petróleo.

O que incentiva essas novas rotas é o fato de o petróleo continuar em contango -- o que significa que as entregas para curto prazo são mais baratas do que as futuras. Essa tendência, aliada ao frete barato, permite que os exportadores de petróleo transportem sua produção a lugares distantes para refino em vez de mantê-la flutuando em navios-petroleiros para que seja entregue em uma data posterior.

A lista crescente de novas rotas comerciais pode gerar uma vantagem para as refinarias de petróleo, que conseguem obter petróleo de um conjunto cada vez maior de destinos interessantes. Além disso, também pode ser lucrativa para traders de petróleo como BP, Trafigura e Vitol, que arbitram a diferença nos preços do petróleo entre várias localidades -- possivelmente embolsando grandes lucros com isso.

No ano passado, a Arábia Saudita passou a enviar petróleo à Polônia em meio à luta com a Rússia por uma fatia do mercado europeu.

Os Emirados Árabes Unidos começaram a exportar petróleo à Romênia, enquanto Omã enviou petróleo aos EUA pela primeira vez em três anos -- um exemplo do fato de as refinarias estarem rejeitando os preços relativamente mais altos do petróleo dos EUA e preferindo importações mais baratas de outras regiões.

"Esses fluxos só se tornaram possíveis devido a duas tendências que se reforçam: fretes marítimos extremamente baixos e spreads acomodatícios do petróleo entre diferentes regiões", escreveram analistas da JBC Energy em uma nota publicada na semana passada. "São cálculos econômicos simples que ampliaram significativamente as opções de compra de petróleo das refinarias".

Os analistas citam os exemplos do envio de carregamentos de Saara Blend da Argélia para lugares distantes como Indonésia, Cuba e Austrália. Carregamentos de petróleo do Mar do Norte deverão ser exportados para a África do Sul, disseram eles, enquanto carregamentos anteriores se dirigiram à Costa Atlântica dos EUA e também às Bahamas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos