Jovens gostam de fazer exercício e isso é bom para a economia

Jeanna Smialek

Os jovens deram as boas vindas à moda das roupas de ginástica que podem ser usadas tanto na academia quanto na rua, à contagem de passos e às dietas de suco. Agora -- graças a uma pesquisa econômica -- você pode ficar tranquilo sabendo que, da próxima vez que encontrar alguém de vinte e poucos anos com um legging de corrida de US$ 98 da Lululemon - empresa canadense que fabrica roupas para yoga, corrida, treino -- não é (só) ostentação.

Um artigo recente da Gallup tira conclusões sobre a economia a partir da queda da obesidade.

Nos EUA a obesidade aumentou entre 2008 e 2015, mas agora está diminuindo na faixa etária de 19 a 35 anos, de acordo com a Gallup, que realiza pesquisas e fornece análises sobre tendências, incluindo a saúde. Esse grupo etário registrou uma queda de 0,6% na obesidade durante o período, enquanto adultos de outras gerações registraram um aumento de 3,8%. Isso poderia ter alguma coisa a ver com fato de que os jovens estão fazendo mais atividades físicas. As tendências relacionadas à obesidade trazem grandes consequências econômicas. As despesas médicas adicionais totalizam impressionantes US$ 142 bilhões anualmente nos EUA, informa a Gallup, e outra pesquisa confirma que a obesidade é ruim para o crescimento. Ela pode até reduzir os salários.

Alguém quer fazer algumas flexões?

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos