Bolsas

Câmbio

Para CEO do eBay, vencer Amazon significa tentar não ser Amazon

Spencer Soper

(Bloomberg) -- O CEO do eBay, Devin Wenig, subiu ao palco de um centro de convenções em Las Vegas com os braços erguidos, como um boxeador depois de vencer com um impressionante nocaute. Foi a primeira vez em oito anos que o eBay reuniu um grupo tão grande de vendedores em um único lugar para lhes dar a oportunidade de comer, beber, socializar e escutar o que o CEO tem a dizer. Wenig, no cargo há cerca de um ano, sabia que tinha motivos para comemorar. O eBay lutou para conquistar vantagem em relação à Amazon, e muitos desses revendedores de produtos -- há muito a força vital do mercado virtual do eBay -- vêm apostando no site do gigante de Seattle -- a Amazon -- para aumentar suas vendas.

Para Wenig, assim como para seu antecessor, John Donahoe, o desafio perpétuo do eBay continua sendo confrontar a ameaça da Amazon e manter investidores, comerciantes e consumidores contentes. Mas em vez de vencer a Amazon em seu próprio jogo -- vender praticamente de tudo a qualquer um e entregar os produtos rapidamente -- Wenig quer que o eBay seja o anti-Amazon, destacando-se em áreas onde a Amazon é deficiente. Ele conta com o estímulo das previsões que mostram que o comércio eletrônico ainda está nos primórdios, o que significa que ainda há muito espaço para que diversos atores cresçam e prosperem.

"O mundo não precisa escolher entre a Amazon e o eBay", disse ele em entrevista em Las Vegas. "O mundo pode ter confortavelmente a Amazon e o eBay -- e assim será".

Com uma calça cáqui e uma camisa azul de botão com mangas arregaçadas, Wenig caminhou pelo palco, exibindo slides e sua visão. Ele prometeu atrair 100 milhões de novos consumidores com propagandas voltadas para os jovens que só conhecem o eBay superficialmente. Ele prometeu redobrar os esforços em mercados emergentes, como a Turquia, e buscar os clientes onde quer que eles se juntem -- Facebook, Pinterest, Snapchat. Ele elogiou uma nova arquitetura de pesquisa que vai facilitar que clientes descubram novos produtos, uma iniciativa para diferenciar o eBay da Amazon e de suas hordas de consumidores com uma missão de compra. Ele prometeu responder rapidamente às preocupações dos comerciantes em relação às críticas negativas injustas. "Não vamos jogar o microfone no chão e sair de cena", Wenig disse a eles. "Estamos só começando".

Diferenciar o eBay da Amazon é o ponto central da estratégia de Wenig. Fundamentalmente, ele parou de competir na área em que o gigante de Seattle possivelmente tem a maior vantagem: a entrega rápida de mercadorias de uso cotidiano. Em vez disso, Wenig quer que os consumidores entrem no eBay quando estiverem planejando as férias e precisarem de mercadorias, quando estiverem renovando o guarda-roupa ou quando estiverem curiosos em relação aos aparelhos mais novos. A Amazon é atraente para os consumidores que não têm tempo, com os botões de compra Dash que possibilitam que eles reabasteçam rapidamente os estoques de detergente ou de papel higiênico quando eles estão acabando. Wenig quer impressionar os consumidores com a sensação de descoberta quando eles passearem pelo mercado virtual, o que tornará as compras prazerosas e aumentará as vendas por impulso além das compras obrigatórias com um objetivo específico.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos